Arquivo da tag: viés

Fio de tecido, qual a sua importância?

Quando escutamos esse termo surgem muitas dúvidas, o que é? Para que serve?  Bom, para que a peça a ser desenvolvida tenha o efeito escolhido, o sentido correto a serem posicionados os moldes sobre o tecido é essencial.

A estrutura do tecido é feita em um esquema de tear da seguinte forma:1

  • Os fios que estão correndo na horizontal são os fios de urdume, e o fio enrolado (letra “i”) que passa entre os fios de urdume na vertical é a trama.
  • Indicado pela letra “c”, os pentes que servem para levantar ou abaixar alguns fios de urdume. Isso facilita a passagem do fio da trama.
  • O pente “h” é usado para bater o tecido, ou seja, pressionar o fio de trama para compactar a trama que já foi feita.
  • Em “b”, o rolo que serve para enrolar o tecido à medida que vai sendo feito.
  • Em “a”, os fios de urdume estão enrolados e são desenrolados à medida que o tecido vai sendo feito.

O que tanto chamamos de fio do tecido é o sentido em que corre o fio de urdume. Porque isto é tão importante? Porque o urdume e a trama assumem funções diferentes no momento da tecelagem, acabam por ter características diferentes e também influenciam o caimento de maneira diferente.

Como vimos no tear, o fio de urdume fica bem esticado e é a base da trama do tecido. Por ele ficar assim tão tensionado, os fabricantes usam fios mais torcidos e mais resistentes. Geralmente esses fios são mais finos também, o que facilita a passagem da trama.

Entenda Melhor

Urdume:

É o fio reto e dará um caimento reto, mas não tão rígido. É a forma mais utilizada.

Trama:

É o fio atravessado e perpendicular ao solo, dará um caimento mais armado. É pouco usado, porque pode dar defeitos e deformações na peça após o uso e lavagens. Usa-se quando a peça exige volume, como a saia balonê por exemplo.

Viés:

É o fio na diagonal, que dará um caimento flexível. A peça contorna o corpo mesmo quando não é justa.

O que isso tem a ver com o caimento do tecido é que quando o fio de urdume cai perpendicular ao solo, a roupa tem um caimento melhor do que quando ele cai paralelo ao solo. Como o fio de urdume é mais tensionado e rígido, também é mais resistente, e é ótimo para regiões da roupa que vão sofrer tensão, como palas de camisas.

A terceira opção de corte é o viés, mas não existe um fio “viés”. O corte em viés é feito a 45˚ do fio de urdume. Neste sentido não passa nenhum fio do tecido, por isso o caimento é mais leve e o tecido estica mais.

Observe nas ilustrações o caimento da ourela em relação ao solo.

Queda do fio reto
– A ourela cai perpendicular ao solo.

imagem 3

O caimento da roupa é firme mas não muito rígido. 

Queda do fio atravessado
– A ourela cai paralela ao solo.

imagem 4

O caimento da roupa é armado.

Queda do fio enviesado
– Nem trama, nem ourela caem perpendicular ao solo mas em diagonal.

imagem 5

O caimento da roupa é mole e flexível.

Como Descobrir qual o sentido do fio quando não tenho ourela? Estique!

6

O tecido tem uma certa elasticidade natural no sentido da trama. No sentido do urdume, se você puxar o tecido, vai sentir que ele não cede. Já se puxar no sentido da trama, vai ver que ele estica. Para fazer o teste, puxe o tecido no sentido de um dos fios. Em seguida, puxe no sentido do fio perpendicular a esse. O que ceder menos é o urdume.

*

Por Rafaela Monserrat , professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion de SCS.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7

Debrum

painel

Uma espécie de viés para dar acabamentos em peças de roupa e até sapatos. É uma fita que fica em alto relevo, geralmente é feito com um tecido de cor diferente da peça a ser montada.

Passo a passo do debrum:

1° passo: Corte o viés com 4 cm de largura para fazer um debrum de 1 cm.

foto 5

2° passo: Divida-o em quatro e dobre as duas beiradas, marque com ferro para facilitar.

foto 6

3°passo: Envolva no tecido a ser aplicado prendendo com alfinetes.

foto 7

4°passo: Faça uma costura para prender o debrum no tecido.
foto 8

Eaê achou fácil?

*

Por Patrícia Maia, professora do núcleo de modelagem da Sigbol Fashion – Unidade Taubaté.

Referencias: 1234.

Passo a Passo: Como fazer uma gravata de nó simples?

FOTO01

Se você adora gravatas diferentes, preste atenção a este passo a passo super fácil, e faça seu próprio exemplar personalizado. Você vai precisar de:

Para o molde:
• Régua
• Esquadro
• Papel para molde
• Lápis e borracha
• Cola

Para a confecção da gravata:
• Cetim ou tecido similar, com metragem de acordo com o comprimento da gravata
• Failete para o forro, ou similar
• Linha de costura do mesmo tom do tecido
• Entretela sem cola (o tipo específico para gravatas) ou feltro fino

 

Molde:
Construa no papel a modelagem, com as medidas do desenho abaixo: esse já será o molde para cortar o tecido principal (já com margens para costura).
imagem 1 gravata
Se for utilizar um pedaço pequeno de tecido, você poderá dividir o molde em 2 partes iguais com 76 cm (75 cm a metade + 1 cm de margem), com recorte em viés e com adição das margens de costura para ambos os lados.

Reproduza as medidas do desenho abaixo, e este será o gabarito para a entretela ou feltro:
imagem 2 gravata

 

Confecção:

  • O molde será cortado no sentido do viés, conforme indicam as imagens abaixo. Estenda o tecido e encontre as ourelas, aquelas margens nas laterais dos tecidos, onde a tecedura é mais densa e firme. As ourelas indicam o “fio” do tecido, ou seja, o sentido do urdume, onde os fios que compõe o tecido são mais firmes e resistentes. No sentido transversal ao urdume está o sentido da trama, e a 45º o sentido em viés. Dobre o tecido alinhando a ourela até o sentido da trama para encontrar o sentido em Viés.
  • A marcação do fio é obtida a partir do molde, encontrada a linha central, que divide a gravata em 2 partes iguais, a 45º está o fio em viés. Caso não possua uma régua para encontrar o ângulo, dobre o tecido conforme o esquema da foto anterior e posicione a linha do centro do molde na dobra do tecido em viés e alfinete. Se tiver como encontrar o ângulo (réguas de patchwork e modelagem possuem a marcação do sentido em viés), faça uma reta guia para posicionar a linha central do molde.

FOTO02

  • Após cortado o tecido externo, corte o gabarito no feltro ou entretela. Se utilizar entretela tecida, também será cortado em viés. Este cuidado não será necessário se você utilizar feltro ou entretela prensada. Depois de cortar a entretela, posicione-a centralizada no avesso do tecido externo da gravata.
    imagem 5 gravata
  • Corte o forro. Ele será aplicado somente nas extremidades da gravata, com 1 cm a menos nas pontas.
    FOTO03
  • Passe as pontas do tecido externo e do forro, com 1 cm, para o avesso.

imagem 8

  • Alfinete o forro ao tecido , avesso com avesso, deixando uma margem do externo aparecendo no verso. Após firmar com alfinetes, inicie a costura com pontos invisíveis e agulha fina. Utilize o mesmo tom de linha do tecido.

FOTO04

  • Faça uma risca com giz no centro da gravata, de ponta a ponta, e outra risca paralela a 1 cm desta.

imagem 12

  • Posicione a entretela ou feltro no interior da gravata. Dobre uma das metades até a segunda risca. A outra, dobre apenas na extremidade a margem de 1 cm.
    imagem 13
  • Dobre a segunda metade (com margem de 1cm) até transpassar cerca de 0,5 cm.
    imagem 14
  • Alfinete as dobras transpassadas ao longo da gravata toda. Comece com ponto de reforço em uma das pontas, e siga com a mesma linha, fazendo pontos invisíveis largos por entre o transpasse das metades. É importante que o ponto interno alcance a entretela ou feltro junto, para que esta parte não fique solta dentro da gravata.FOTO05
  • Finalize até a outra ponta, com o mesmo ponto de reforço inicial.
    imagem 18

**Dica importante: não passe tecidos sintéticos imediatamente após ligar o ferro de passar, mesmo com o termostato marcando “Nylon”, pois ele tem um pico de aquecimento que derrete os tecidos sem dó nem piedade.
FOTO06*

Por Natalina Porto, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion

Referência: 1, 2, 3, 4 e 5