Arquivo da tag: público-alvo

Bureaux de Estilo: Para que serve afinal?

foto 1

Moda nem sempre é conceitual, onde o estilista pode viajar nas criações.

Em 1961, foram criados os primeiros escritórios de estilo, passando assim o vestuário industrializado de massa pela mudança de estatuto, tornando-se integralmente um produto de moda.

foto 3

Resumindo, é um livro onde são ditadas as tendências de moda. Deve ser parte do trabalho de um estilista para que ele transforme em orientação para criação de moda. Essas tendências são econômicas, culturais, políticas e estéticas. Já, para aqueles que trabalham nos bureaux de estilo, é extremamente importante captar perfeitamente o quê move a sociedade e todos os elementos que a compõe, para que assim as tendências influenciem no próprio comportamento do consumidor.

foto 2

Se você ficou curioso para saber como são utilizadas as tendências do Bureaux, relaxe! Conheça nosso curso de Estilo você aprende isso e muito mais…

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação Sigbol Fashion

Referências: 12. RVB Malhas, Rovitex Malhas.

Apostila de Estilo Sigbol Fashion, Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion, Dicionário da Moda Sigbol Fashion.

O que é uma confecção?

FOTO 01

Confecção nada mais é que sinônimo de fábrica de roupas. É onde trabalham costureiras, modelistas, cortadores, estilistas e o proprietário, responsável por ficar a par de  todas as etapas, tais como: criação, fabricação e venda das roupas em um estabelecimento próprio ou através de colegas ou fornecedores responsáveis para reabastecer as lojas.

Hoje, ainda existem duas formas de trabalhar com uma confecção: por encomenda e com criação própria. Por encomenda, no esquema de oficina por exemplo, é preciso aguardar que clientes solicitem pedidos, fornecendo o modelo e solicitando para que seja entregue no prazo estipulado. Neste modelo de confecção, costuma-se atender empresas, lojas, terceirizados, entre outros: são os clientes sazonais. Na segunda opção, a marca cria suas peças próprias, e a venda é direcionada às boutiques: este modelo é o mais indicado, o mais lucrativo, e que, consequentemente, atrai mais empreendedores. Porém, neste caso, o proprietário deve criar sua própria marca, pesquisar tendências e montar seu planejamento, pois só assim saberá se a empresa fará ou não sucesso no mercado.

FOTO 02

Investimento inicial para montar sua confecção

Dependendo do porte da empresa, o investimento não será baixo: dependemos muito da quantidade de máquinas que serão adquiridas. Se a confecção for de pequeno porte (por exemplo, uma oficina caseira) o gasto é mais baixo, pois irá envolver apenas a mão de obra (que normalmente é do próprio dono da empresa) e maquinário simples, como, por exemplo, uma máquina de costura reta e uma overloque ou ambas caseiras, tecidos e aviamentos (linhas, botões, agulhas, acessórios para a máquina, etc). Este modelo não é muito recomendado, pois a produção é lenta e perdem-se grandes oportunidades de encomenda, visto que não é possível fabricar uma grande quantidade de peças em curto espaço de tempo.

FOTO 03

Para se posicionar no mercado de trabalho, não existe uma fórmula mágica: você terá que usar a velha tática do boca a boca, demonstrando seus produtos. Monte uma coleção bacana, com suas ideias, fotografe e monte um catálogo (portfólio). Ofereça em lojas de roupas próximas a sua cidade ou mesmo pela Internet, tenha força de vontade e corra atrás de sua clientela! Fidelização do cliente e os diversos pedidos só irão surgir com o tempo.

Mais uma dica para quem esta começando é a divulgação por meio de mídias sociais, como uma página própria no facebook, instagram e diversos outros: dessa forma você terá a oportunidade de contar com amigos que compartilharão seus produtos com outros amigos. Essa (ainda) nova forma de divulgação já é muito utilizada atualmente, e dependera do seu capital: quanto maior o investimento, maior o retorno.

imagem 9

 

O mais importante, depois da decisão tomada, é se preparar com cursos adequados de modelagem e costura, estabelecer qual será seu público-alvo, ler muitas revistas e livros de moda e nunca deixar de pesquisar as tendências e as novidades do mercado. Saber o que seu público quer vestir, e poder suprir suas necessidades, é essencial para deslanchar sua marca!

*

Por Ana Paula Lopomo Amaral, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9