Arquivo da tag: modelagem

Modelagem e Moulage: o par perfeito

A modelagem é a construção volumétrica que viabiliza a industrialização das roupas, a planificação do desenho previamente criado pelo estilista. É ela quem garante conforto e funcionalidade às peças, mesmo com uma grade de numeração padronizada, que permite que as mesmas peças vistam corpos tão diferentes.

FOTO 01

Atualmente as indústrias têxteis e confecções estão passando por uma grande evolução, e, com a modelagem não é diferente: percebida a importância deste setor, aumenta cada dia mais a procura por profissionais que também acompanhem a evolução do desenvolvimento criativo.

Já é possível perceber o aumento dos investimentos na capacitação e na qualificação profissional do setor. Porém, o modelista deve preparar-se para alcançar o retorno que esse panorama exige: caso essa adequação não aconteça, ele se tornará um profissional atuante apenas em lugares defasados, sem muita profissionalização, onde o valor profissional não é prioridade nem tem reconhecimento.

Para conseguir acompanhar o aumento da demanda, os profissionais, além de serem seguros em sua modelagem, devem ler, pesquisar, trocar experiências com outros modelistas e investir em sua carreira, com cursos que o qualifiquem para essas inovações. Entre eles, está o curso de Moulage ou Drapping, uma técnica de modelagem tridimensional, em que todas as partes do molde são criadas em manequins (próprios para moulage ou em modelos vivos). É um  recurso muito importante, que o modelista que procura espaço renovado no mercado não deve deixar de conhecer, estudar e aperfeiçoar. Por ser uma técnica que complementa a primeira, a moulage ajuda muito a entender melhor os processos de criação, caimentos e a adequação ao corpo, o que dá ao profissional  mais precisão em seu trabalho.

FOTO 02

Outra ferramenta muito importante para o modelista, seja novo profissional ou já atuante, é a modelagem informatizada pelo programa Audaces Vestuário Moldes: ele ajuda a aperfeiçoar o o trabalho do modelista industrial através do Sistema CAD AUDACES. O objetivo deste programa é facilitar o processo de reprodução, ampliação e redução de moldes, estudo de encaixe e plotagem de acordo com procedimentos técnicos, trazendo assim precisão e agilidade aos processos finais da modelagem

Foto 03

Invista, também, em matérias e ferramentas para auxiliá-lo. Abaixo listamos alguns dos principais materiais utilizados na Modelagem Plana, bem como para quais atividade são usados:

imagem 12

– Papel : usado para fazer os moldes.
– Esquadro: para traçar linhas retas e ângulos retos.
– Régua curva grande: usada para traçar linhas curvas maiores como quadril, ou gancho de uma calça.
– Régua curva menor: usada para traçar linhas curvas menores, como cavas e decotes.
Curva Francesa: régua utilizada para traçar curvas, igual as réguas citadas a cima.
– Fita métrica milimetrada de 1,50 cm: usada para tirar as medidas, fazer escalas e todas as marcações necessárias.
– Carretilha: para transferir o desenho de um papel para o outro.
– Furador: usado nas marcações internas do molde, como pique de bolso, profundidade de pence.
– Vazador: utilizado para fazer piques nas extremidades no molde, como altura de quadril ou barra.
– Alfinetes: para prender os moldes.
– Lapiseira: com a lapiseira temos traços precisos.
– Réguas de 60 cm e 10 cm: para unir traços retos. Outros materiais também utilizados na Modelagem Plana são o giz ou lápis de alfaiate, bastante utilizado para fazer marcações nos tecidos, e a tesoura que tem a função de auxiliar a fazer os recortes tanto no papel quanto nos tecidos. Lembramos que para cada material deve ser utilizada uma tesoura diferente .

Invista em matérias e ferramentas de qualidade  para auxiliá-lo e bom trabalho!

*

Por Natalina Porto da Silva Melo, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11

Workshop de Máquinas e Acessórios

Worshop de Máquinas e Acessórios

 

divider-3

A arte de costurar é tão antiga quanto a história da nossa evolução.dica para emagrecer

Foi na Idade da Pedra que surgiram as primeiras agulhas, feitas de ossos de mamute ou de marfim. E em seguida o tear, improvisado no meio de dois galhos de árvores fincados no solo, para procederem ao entrelaçamento dos fios.

O tempo passou e eis que surge a Roca de madeira, onde se fiavam as fibras.dica para emagrecer

Com o passar dos séculos, os teares sofreram valiosas melhorias, mas poucos progressos técnicos tinha sido feito até o século 19. Os tecidos eram costurados a mão, dando forma as vestimentas de filhos, maridos, pais, irmãos pelas mulheres sobrecarregadas pelos exaustivos afazeres domésticos, onde costuravam do cair da tarde até tarde da noite, a luz das fogueiras, velas de sebo, lamparinas e lampiões. dica para emagrecer

As fontes de pesquisa mostram que a primeira máquina de costura surgiu em 1829, concebida pelo francês Barthélemy Thimmonier para costurar os uniformes militares. E ao longo da décadas ela foi aperfeiçoada mediante vários inventores.

A costura é uma técnica sem mistérios, que se aprende com boa metodologia e esforço dirigido. É um aprendizado artesanal, que exige conhecimentos preliminares corretos, para ser desenvolvida com naturalidade e sem dificuldades. Possui o dom mágico de dar forma às ideias. Ideias estas diferenciadas em tudo, seja em pequenos detalhes ou toques pessoais.

No nosso Workshop você vai conhecer os tipos de máquinas que existem e seus acessórios, valorizando e orientando nas atividades de costura, proporcionando conhecimentos básicos efetivos, que você poderá desenvolver com sucesso total.

Divider_03

O que é uma confecção?

FOTO 01

Confecção nada mais é que sinônimo de fábrica de roupas. É onde trabalham costureiras, modelistas, cortadores, estilistas e o proprietário, responsável por ficar a par de  todas as etapas, tais como: criação, fabricação e venda das roupas em um estabelecimento próprio ou através de colegas ou fornecedores responsáveis para reabastecer as lojas.

Hoje, ainda existem duas formas de trabalhar com uma confecção: por encomenda e com criação própria. Por encomenda, no esquema de oficina por exemplo, é preciso aguardar que clientes solicitem pedidos, fornecendo o modelo e solicitando para que seja entregue no prazo estipulado. Neste modelo de confecção, costuma-se atender empresas, lojas, terceirizados, entre outros: são os clientes sazonais. Na segunda opção, a marca cria suas peças próprias, e a venda é direcionada às boutiques: este modelo é o mais indicado, o mais lucrativo, e que, consequentemente, atrai mais empreendedores. Porém, neste caso, o proprietário deve criar sua própria marca, pesquisar tendências e montar seu planejamento, pois só assim saberá se a empresa fará ou não sucesso no mercado.

FOTO 02

Investimento inicial para montar sua confecção

Dependendo do porte da empresa, o investimento não será baixo: dependemos muito da quantidade de máquinas que serão adquiridas. Se a confecção for de pequeno porte (por exemplo, uma oficina caseira) o gasto é mais baixo, pois irá envolver apenas a mão de obra (que normalmente é do próprio dono da empresa) e maquinário simples, como, por exemplo, uma máquina de costura reta e uma overloque ou ambas caseiras, tecidos e aviamentos (linhas, botões, agulhas, acessórios para a máquina, etc). Este modelo não é muito recomendado, pois a produção é lenta e perdem-se grandes oportunidades de encomenda, visto que não é possível fabricar uma grande quantidade de peças em curto espaço de tempo.

FOTO 03

Para se posicionar no mercado de trabalho, não existe uma fórmula mágica: você terá que usar a velha tática do boca a boca, demonstrando seus produtos. Monte uma coleção bacana, com suas ideias, fotografe e monte um catálogo (portfólio). Ofereça em lojas de roupas próximas a sua cidade ou mesmo pela Internet, tenha força de vontade e corra atrás de sua clientela! Fidelização do cliente e os diversos pedidos só irão surgir com o tempo.

Mais uma dica para quem esta começando é a divulgação por meio de mídias sociais, como uma página própria no facebook, instagram e diversos outros: dessa forma você terá a oportunidade de contar com amigos que compartilharão seus produtos com outros amigos. Essa (ainda) nova forma de divulgação já é muito utilizada atualmente, e dependera do seu capital: quanto maior o investimento, maior o retorno.

imagem 9

 

O mais importante, depois da decisão tomada, é se preparar com cursos adequados de modelagem e costura, estabelecer qual será seu público-alvo, ler muitas revistas e livros de moda e nunca deixar de pesquisar as tendências e as novidades do mercado. Saber o que seu público quer vestir, e poder suprir suas necessidades, é essencial para deslanchar sua marca!

*

Por Ana Paula Lopomo Amaral, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9

E o mercado de pets, como anda?

Imagem 01Apostamos com você que ao menos uma das situações a seguir você já presenciou, tenha sido com desconhecidos, amigos, parentes, ou até você mesmo: sejam os donos casais, solteiros, com filhos ou sem, bichinho de estimação é tratado exatamente como outro membro da família. Pois é isso mesmo: cada vez mais nossos pets fazem parte importantíssima de nossas vidas, levando alegria (ou bagunça!) para casa, além de amizade e companheirismo, e, porque não, melhorando o bem estar geral de quem convive com ele!

Pois então nada mais justo é saber que o setor de pet shop, especialmente o de luxo, vem crescendo a cada dia, e é um dos cinco maiores mercados internos em expansão no país, que fica em segundo lugar no ranking mundial de crescimento anual da economia do mercado, seja em termos veterinários, alimentícios ou de petcare. E, dentro dessa cadeia, o maior crescimento se concentra em pequenos e médios empresários do setor.

Imagem 02

Inicialmente, somente na época de inverno era possível enxergar crescimento na aquisição de roupinhas e acessórios para pets, tais como sapatinhos, gravatas, laços, etc. Porém, de 10 anos para cá, o crescimento afetou também as demais estações do ano: o mercado agora cria não só para aquecer, mas principalmente para deixar o animal arrumado e fashion, de acordo com o gosto do dono. Entram aí diferentes estilos de roupas, todas muito confortáveis para respeitar o limite de mobilidade do animal sem feri-lo.

Imagem 03

Se você está procurando um novo nicho de mercado para expansão do seu negócio, ou até mesmo uma mudança de profissão, agora é um excelente momento de procurar mais informações sobre o mercado, e aprender moda pet com um curso especializado, com material exclusivo e de excelente qualidade, na Sigbol Fashion. Aqui, no curso de MODA PET, você aprende diversas modelagens, cortes, costuras e acabamentos de peças para pets, além de manuseio de tecidos planos e malhas (sim, ou vai dizer que você nunca viu camisetinhas para pets?) e acessórios, orientação sobre maquinário necessário e tabelas de medidas industriais.

Imagem 04Aproveite que o setor ganhou inclusive feira exclusiva (a Pet South America) com o intuito de divulgar os produtores, e venha você também, aprender a criar peças divinas para nossos melhores amigos!

*

por Haranin Julia Maria, professora do Nucleo de Criação da Sigbol Fashion

 

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13 e 14

Lingerie Plus Size

Para quem já ouviu esse termo, mas não sabe do que se trata, vamos entender o significado da palavra Plus Size. Este termo foi criado pelos americanos para modelos de roupas acima do padrão convencional vendido nas lojas, ou seja, Plus Size = Tamanho Maior, aquele que está acima do tamanho 44.
Na verdade, foi uma forma de incluir modelos maiores no mundo da moda e aumentar a venda de roupas já que para esse nicho é mais difícil encontrar peças que valorizem os shapes.

2

O Brasil adotou este sistema de modelagem que vem ganhando espaço. Agências de modelos, confecções e lojistas já estão incluindo o modelo plus size em suas linhas de produtos.

Infelizmente o segmento de lingerie Plus Size ainda está deixando a desejar. Quem veste este padrão, normalmente, encontra nas lojas aqueles conjuntinhos de tom nude e, às vezes, não muito elaborados.

Contudo, no curso de Moda Íntima & Praia da Sigbol Fashion, você pode soltar sua criatividade elaborando os mais variados modelos, Plus Size ou não.

4

 

 

Contamos com um sistema geométrico onde você constrói seu manequim e confecciona suas peças!!

1

Então para quem quer abrir uma confecção, trabalhar em uma ou apenas for uma mulher que veste do tamanho 44 para cima e que não encontra lingeries bonitas, elaboradas e de cores variadas, o curso certo para você é aqui! Veja um pouquinho do que você pode aprender com a gente!

Um sutiã desenvolvido pelo núcleo de modelagem da Sigbol Fashion, modelo tomara que caia que ainda tem pouca aceitação no universo plus size, pois precisa de sustentação reforçada e muitas mulheres acreditam que ele pode deixar a impressão de que tudo está “saindo para fora”, o que não é verdade, desde que a modelagem esteja bem feita. Com a modelagem certa tudo é possível!!

5

 

Fizemos esse modelo para que vocês entendam melhor o processo de produção, começando, claro, pela modelagem. Aqui você aprende a confeccionar peças, passando por todo o processo de produção.

*

Por Andréia de Araújo, professora do núcleo de modelagem da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2 e 3