Arquivo da tag: medieval

Creative Friday – Medieval

Play:

tumblr_inline_n0orry2m4q1sy59r2

No passado, os cavalheiros lutavam pela mão das princesas em casamento, não só pela beleza da moça, mas também em busca da ganância da realeza. Existiam muitas lendas sobre magia, bruxas, dragões… Mas se isso existiu mesmo é outra história.

CAeBhl

Na Idade Média a população agia de forma mais rude, não havia muitos modos de higiene na época, e a economia vinha dos pastos e plantações, mas tudo pertencia ao rei. Se você comece uma cenoura a mais poderia ser morto.

tumblr_mh5ivyTUiO1r9u3x1o1_500

A Igreja Católica também influenciava o modo de pensar e os modos de comportamento, principalmente no período da Inquisição. A arte e a cultura medieval foi fortemente influenciada pela religião. Na arquitetura nota-se a construção de castelos, igrejas e catedrais.

tumblr_mziz11GqJ41t26my0o1_500

Como não havia conhecimentos médicos e meios de limpeza, os ratos se espalharam facilmente e se alastrou a peste negra, não havia cura. Pra complicar ainda mais a situação, muitos falavam que a doença era por causa do comportamento da pessoa. Mas se essa parte da história não tivesse acontecido, não teríamos o mesmo tanto de informação hoje.

tumblr_lr6eb0yyMG1r2hrd5o1_500

É a Idade Média também teve sua beleza e tendências de moda, a gente até trouxe uma coleção Real pra você:Medievalthays thalitaimage paola haranin eli cris cheyenne andréia

 

 

 

A morte lhe cai bem… †

Só que não!!!

Foto 1Um assunto polêmico a se tratar, mas vamos falar deles: Os trajes fúnebres!

O costume de usar roupa preta em funerais vem desde a Idade Média, do período gótico, pela opressão que a Inquisição impunha. O uso de luto cerimonial e vestido era originalmente um privilégio das cortes reais da Europa e foi regulamentada pelo protocolo de corte por meio de leis. Ao longo de um período de cinco centenas de anos, no entanto, o uso de vestido luto espalhou para o resto da sociedade.Foto 2

Nessa época a morte era vista como um castigo, algo obscuro e muito doloroso, em função das torturas impostas e das doenças do período, conhecido como os mil anos de escuridão.

Nos funerais reais, a carruagem fúnebre levava o corpo para o enterro e uma grande procissão ia atrás: a família, a aristocracia, militares, igreja, e os comerciantes (suas vestes de luto eram diferentes para indicar seu gênero e classe social). O mais alto na terra, homens e mulheres, usavam os mais longos comboios de luto e capuzes na cara de lã preta opaca, com crepe ou linho. No protocolo real as viúvas sempre usavam preto em público e por períodos mais longos.

Processed with Moldiv

No final do séc. XVII, o uso do preto começou a se tornar cada vez mais moda para os ricos, com bordados, joias e tecidos finos.  E acabou se expandindo para a classe média.

Processed with Moldiv

Em meados do século XIX, a rainha Vitória, viúva aos 45 anos de idade em 1861, passou a usar o vestido de luto até sua morte. Outras viúvas e famílias seguiram seu exemplo. Por pelo menos dois anos e meio elas passaram a usar preto após a morte do marido, enquanto um viúvo só era obrigado por três meses.

Processed with Moldiv

Logo, começou seu declínio. O uso do vestido de luto diminuiu de forma constante a partir dos anos 1880, e na década de 1930, véus das viúvas já estavam fora de uso, exceto em países católicos e círculos reais. Após a Segunda Guerra Mundial, a prestação de vestido de luto não era mais um ramo específico da indústria.

Processed with Moldiv

Atualmente, já não há mais normas sobre o que usar exatamente em um velório ou enterro, claro que ninguém vai de biquíni… Mas convenhamos, se algum conhecido importante viesse a falecer, quem iria ter cabeça de pensar em que roupa vestir não é mesmo?  Afinal a alma é mais importante que o corpo ou uma roupa! Mas talvez, você já pode deixar separadinho no seu armário uma vestimenta apenas para velórios e cemitérios, porque a morte também faz parte da nossa história sendo também inspiração para algumas tribos urbanas e até com mais cores.

Gótica

Meus sentimentos… †

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, Manual História da Moda Sigbol Fashion.

A história das listras

Livro

Em toda a sociedade da época eclesiástica foi declarada guerra a tudo aquilo que confundia a visão: as listras, principalmente as que alternavam cores vivas (vermelho ou amarelo), por exemplo, por suscitar aos olhos da Igreja a imoralidade.

Através de estudos e análises sobre o traje listrado, é possível visualizar uma breve passagem da idade média para a idade moderna. Neste período, o status social e cultural da vestimenta listrada sofreu uma rápida transformação do conceito diabólico para o doméstico, como sinal de impureza e transgressão. Com isso a listra adquiriu novos conceitos.

Painel prisioneiros

Já passando pelos séculos XVI a XVIII, período do primeiro romantismo, observamos a ascensão das listras: as mesmas deixaram de ser ofensivas para serem aristocráticas. Os nobres as imitavam e as listras foram ganhando o seu espaço: verticais para a aristocracia e horizontais para os servos.

Painel aristocracia

Um grande tempo depois, as listras ganharam as telonas dos cinemas, vestindo gângsteres, mafiosos, pessoas fora da lei e tantos outros personagens que nos fazem referências ao crime. Desta forma, é possível concluir que as listras não desapareceram com o fim dos conceitos atribuídos desde os séculos passados.

Painel Marinheiros

As listras passaram também a fazer parte do uniforme de marinheiros, e quando a sociedade européia descobriu os prazeres dos banhos de mar, as mesmas passaram do alto mar para a costa. Os banhos também tinham finalidades terapêuticas e os médicos recomendavam o uso de roupas brancas, mas elas ficavam transparentes quando molhadas. Assim, surgiu o traje listrado moda praia. Depois, as listras da praia distanciaram-se da comparação com o uniforme dos marinheiros, e passaram a fazer parte do círculo do lazer, do esporte, da infância e da juventude.

Painel 60

Porém, atualmente, as listras ganharam um novo espaço no mundo da moda. Na década de 1960, influenciaram bastante em editoriais junto à Op Art. Existe uma grande diversidade de modelos de roupas estampadas, especialmente aquelas que dão uma disfarçadinha na barriguinha saliente e no quadril.

Hoje as listras não significam mais algo diabólico, como na Idade Média, nem transgressão social. Qualquer pessoa pode usar, mas é sempre bom procurar uma dica de um Personal Stylist para ajudar na hora da escolha, de acordo com a sua silhueta.

Atualmente

*

Por Paola Sanguin, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, Manual História da Moda Sigbol Fashion, Livro: The Devil’s Cloth