Arquivo da tag: Literatura

Creative Friday – Steampunk

a-bussolaVoltamos  alguns anos, onde a tecnologia a vapor é mais avançada que a elétrica. Mas como produzi-las? Só livros podem descrever.

robert-downey-jr-sherlock-holmes-shh

O Steampunk, na verdade, é um subgênero de ficção científica. São obras contadas no passado, onde a tecnologia moderna ocorre mais cedo do que na história real, ou em outro universo paralelo. Esse termo “Steampunk” só se estabeleceu no final dos anos 1980. Vários autores começaram a escrever livros de ficção científica em um universo futurista.

tumblr_inline_o06f57EhRh1s9x8us_500

A cultura se espalhou e virou tradição. Existem encontros onde os fãs do estilo se juntam para falar das obras e questionar a tecnologia da sociedade atual.

O movimento também ganhou fama por conta do vestuário. As roupas e os acessórios são infinitos. A regra da indumentária é que ela deve passar a noção de funcionalidade, utilidade, beleza e diversão.

E aqui no blog não falta nenhuma dessas opções. Veja só nosso Creative Friday:

tumblr_mxdjv1rWwu1rknrf9o1_500Steampunkjupricriselifoto 1Creative001IMG-20160122-WA0001?eli thais

tumblr_nz95q7TYyT1tzpwk7o1_500

Você é um(a) gótico(a) suave?

Em tempos difíceis como o que estamos vivendo, com crises econômicas e ambientais, conflitos religiosos, intolerância e desigualdade, o preto sempre ressurge como tendência em forma de luto e reclusão ao caos.

“Para confrontar os maiores medos da sociedade, incorporamos a escuridão.” Tal ideologia é adepta de várias subculturas, em sua maioria a punk e sua vertente que mais caracteriza o look total black, o gótico.

Os góticos propriamente ditos (que usam o preto e outros elementos como estilo e não como tendência), são apreciadores da arquitetura e das artes produzidas na Idade Média, da literatura entre os séculos 18 e 19 e da música que traz em suas letras e ritmo o grotesco e a densidade do macabro.painel1

Derivações desta vertente surgiram recentemente, fazendo emergir das redes sociais um “subestilo”, o pastel goth, este acrescentando as características já existentes elementos designados kawaii (expressão muito usada no Japão, pelos jovens, adeptos da cultura pop que qualifica algo como infantil e fofo).

painel2

As características citadas acima fazem parte de vertentes e/de subculturas que as usam como estilo de vida.

O termo “gótico suave” surgiu com a aparição da cantora Lorde no mundo e mídia pop, a qual segue um estilo de looks sóbrios de cores escuras e modelagens amplas, que a destoa dos outros jovens e artistas, isso não significa que a mesma SEJA gótica.tumblr_ng16qo8Q2m1rlt5o0o1_500

Isso mostra como a moda e a música sempre andaram juntas, isso ocorre principalmente quando uma tendência precisa ser vendida e aceita pela massa (grande público), neste caso o preto! E para que isso aconteça artistas mostram essas tais tendências em forma de estilo, como um produto com apelo de novidade e isso muitas vezes leva a um retrocesso ao amenizar a essência de estilo de vida de um grupo de pessoas (como suavizar o gótico para que este seja mais aceito)

*

Por Mayara Behlau, professora no Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1 e 2

Creative Friday – Sítio do Pica-Pau Amarelo

Sítio do Pica-pau Amarelo é uma série de vinte e três livros de fantasia, escrita pelo autor brasileiro Monteiro Lobato entre 1920 e 1947. A obra tem atravessado gerações e geralmente representa a literatura infantil brasileira. O conceito foi introduzido de um livro anterior de Lobato.

O cenário principal é um sítio, batizado com o nome de Pica-pau Amarelo, de onde vem o título da série, onde uma menina chamada Narizinho, um menino chamado Pedrinho e uma boneca falante chamada Emília desfrutam de aventuras explorando outros mundos através da fantasia.

Desde os anos 50, o Sítio também tem sido adaptado diversas vezes desde filmes em live-action e séries de televisão. Este cenário mágico cheio de fantasia é tema para desenvolvimento de criações que vão além da imaginação.

Sítio do pica pau amareloandreiacaroleliharaninjumepapritalitatândara

Creative Friday – Tarsila do Amaral

Hoje no nosso Creative Friday temos Tarsila do Amaral, uma das mais importantes pintoras brasileiras do movimento modernista. Vamos conhecer um pouquinho da sua história?

Na adolescência, Tarsila estudou na cidade de São Paulo, porém, completou os estudos numa escola de Barcelona, na Espanha. Desde jovem, Tarsila demonstrou muito interesse pelas artes plásticas. Aos 16 anos, pintou seu primeiro quadro, intitulado Sagrado Coração de Jesus. Em 1906, casou-se pela primeira vez com André Teixeira Pinto e com ele teve sua única filha, Dulce. Após se separar, começa a estudar escultura. Somente aos 31 anos começou a aprender as técnicas de pintura com Pedro Alexandrino Borges (pintor, professor e decorador).

Em 1920, foi estudar na Academia Julian (escola particular de artes plásticas) na cidade de Paris. Em 1922, participou do Salão Oficial dos Artistas da França, utilizando em suas obras as técnicas do cubismo. Retornou para o Brasil em 1922, formando o “Grupo dos Cinco”, junto com Anita Malfatti, Mario de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Picchia.

Este grupo foi o mais importante da Semana de Arte Moderna de 1922. Em 1923, retornou para a Europa e teve contatos com vários artistas e escritores ligados ao movimento modernista europeu. Entre as décadas de 1920 e 1930, pintou suas obras de maior importância e que fizeram grande sucesso no mundo das artes. Entre as obras desta fase, podemos citar as mais conhecidas: Abaporu (1928) e Operários (1933). No final da década de 1920, Tarsila criou os movimentos Pau-Brasil e Antropofágico. Entre as propostas desta fase, Tarsila defendia que os artistas brasileiros deveriam conhecer bem a arte europeia, porém deveriam criar uma estética brasileira, apenas inspirada nos movimentos europeus. No ano de 1926, Tarsila casou-se com Oswald de Andrade, separando-se em 1930.

Entre os anos de 1936 e 1952, Tarsila trabalhou como colunista nos Diários Associados (grupo de mídia que envolvia jornais, rádios, revistas). Tarsila do Amaral faleceu na cidade de São Paulo em 17 de janeiro de 1973. A grandiosidade e importância de seu conjunto artístico a tornou uma das grandes figuras artísticas brasileiras de todos os tempos.

Painel Desenho Tarsilaandie Andreia Carol eli ha ju may pa pri ta tandara