Arquivo da tag: Gucci

Bolsas tiracolo

As queridinhas das fashionistas estão de volta, as bolsas tiracolo apareceram nos desfiles em vários tamanhos, pequena, média ou grande.

As bolsas tiracolo são praticas e coordenam com qualquer look.

Elas aparecem com vários materiais, couro, veludo e camurça, lisas ou texturizadas.

 

*

Por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18,19 e 20

A história de Alessandro Michele na Gucci.

Alessandro nasceu em 1972 em Roma, estudou na Academia di Costume e de Moda Romana com o objetivo de ser figurinista.

Começou sua carreira no mercado da moda criando acessórios para a Fendi, porém em 2002 começou a trabalhar na Gucci, e dez anos depois foi nomeado assistente de Frida Giannini, que em 2015 abriu mão de seu posto na direção criativa da marca. Foi então que Alessandro foi nomeado o diretor criativo da marca.

Em sua primeira coleção para a Maison ele trouxe uma estética inovadora com uma pegada andrógina com ecos dos anos setenta.

Alessandro não segue regras e isso o torna único e inovador, surpreendendo a todos em seus sempre atraentes e inovadores desfiles.

Eu tento seguir as minhas próprias regras, e não as diretrizes da moda”.

*

Por Alan Prates, professor do Núcleo de Criação da  Sigbol Fashion

Referências: 1

Revival Part.3: Peyton Knight (anos 70)

Estrela da última coleção da Gucci, Peyton Knight com apenas 17 anos é um dos nomes mais comentados da temporada de Verão 2016 internacional, tornou-se a queridinha de fashionistas desde Marc Jacobs a Miuccia Prada.

eea0586c75fad2f59c77120753736112

Descoberta em um cinema de sua cidade natal, St. Louis, Peyton desfilou pela primeira vez  para Alexander Wang, além de Marc Jacobs e Victoria Beckham; na Europa, para Gucci, Prada, Fendi, Balenciaga, Chanel e até Versace que costuma optar por modelos mais sexies.

7220e2389260164274828e81d87d6551

Peyton faz parte de uma geração de modelos que sustentam o movimento gender-bender que brincam com a beleza exótica e looks sem identidade de gênero.

Seu estilo, e principalmente seu corte de cabelo vintage, nos remete diretamente aos anos 70, que também foi, é e será tendência com variações do estilo boho em 2016.

peyton-knight-ffw-models-4Untitled-1

 

*

Por Mayara Behlau, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3 e 4

Completely Lost, hããã?!

Esqueça tudo a que você estava acostumado a assistir nos shows da Gucci. Após um ano à frente da direção criativa da marca, Alessandro Michele reafirma o seu estilo retro, um pouco kitsch diga-se de passagem, e a moda sem gênero. Onde está o toque sexy, e até um pouco vulgar em algumas ocasiões, dos desfiles de Tom Ford? Também não vemos mais a alfaiataria correta, de linhas limpas e bem construídas que marcaram os anos de Frida Giannini!

A coleção masculina Fall 2016 de Michele é marcada pelo excesso e por uma moda para lá de excêntrica. Vê-se uma profusão de cores vibrantes combinadas, mistura de estampas (florais, geométricos, xadrezes), tecidos trabalhados, texturas, bordados e brocados – um choque total, mas no bom sentido (rs). Há ainda elementos que remetem ao estilo confortável (tendência forte também no feminino em Nova York, com os sleepy dresses, lembra?!), com modelagens mais amplas e conjuntos inspirados em pijamas, além de tricôs e gorros. Uau! Poderia apostar que a camiseta do Snoopy vai virar hit entre os fashionistas.1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Michele entrou tímido há um ano, mas agora, seguro da sua missão na Gucci, mostrou para que veio: sacudir as tradições construídas há décadas.

*

Por Danilo Centemero, estilista, modelista, VM, vitrinista e professor do Curso de Visual Merchandising e Vitrine da Sigbol Fashion.

E o reinado Giannini chega ao fim!

A estilista Frida Giannini ocupou o cargo de diretora criativa da Gucci desde o ano de 2006, após a saída de Tom Ford. Aos poucos, Frida foi desvinculando da marca a identidade muito sensual, principal foco do trabalho de Ford, e buscando resgatar os itens característicos da Gucci em sua essência primordial, ou seja, linhas limpas e precisas, peças muito bem cortadas, casuais e comerciais, assim como suas raízes artesanais.

Frida Giannini

 

O CEO e presidente do Kering François-Henri Pinault, conglomerado que detem os direitos da marca, afirmou que “sou verdadeiramente agradecido a ela por suas conquistas, sua criatividade e a paixão que sempre incutiu em seu trabalho”. Porém, os números do jornal “The New York Times” mostraram o contrário, apontando que as vendas da marca estagnaram e, de fato, tiveram um fraco crescimento. O desempenho da Gucci não conseguiu se igualar ao das marcas menores, pertencentes ao mesmo grupo.

Alessandro Michele

A decisão de trocar um designer em tempos difíceis de mercado é uma decisão bastante corriqueira. Isso chacoalha o estilo da marca, e tende a romper padrões de estilo que perduraram durante anos. Com a chegada de Alessandro Michele, a Gucci mostrou um Inverno 2015 masculino mais ousado, com muito romantismo e referências retrô divertidas. A coleção feminina segue a mesma proposta, e propõem peças vanguardistas que não se via nas passarelas desde a saída de Ford. Alessandro aposta na feminilidade inspirada na androginia, sem a distinção marcada dos dois gêneros, e não se prende aos super decotes, fendas e peças ultra-justas.

FOTO01

O reinado Giannini chegou ao fim, e isso refletiu nos pontos de venda da marca: filas gigantescas se formaram em frente a flagship do Shopping Iguatemi, em São Paulo, após o anúncio de que roupas e acessórios haviam entrado em liqueidação, com 50% de desconto. Os rumores apontam que o objetivo de Michele tenha sido limpar das prateleiras qualquer peça criada por Frida, exigência que fez a alegria dos fashionistas: em poucos dias, todos os produtos disponíveis haviam sumido das araras.

As apresentações de Michele certamente encheram os olhos da imprensa de moda. Mas somente a chegada, prevista para o segundo semestre, da nova coleção às lojas mostrará se o novo estilo cairá também no gosto dos fiéis clientes da marca.

*

Por Danilo Centemero, estilista, empresário, VM, vitrinista e professor de Visual Merchandising e Vitrine da Sigbol Fashion

Referência: 1