Arquivo da tag: desenvolvimento

Planejamento de coleção

Para se criar uma coleção de moda, não basta apenas desenhar e costurar, existe uma equipe inteira por trás dos bastidores que fazem toda a mágica acontecer, com muito estudo e dedicação para que chegue da maneira mais impecável aos seus clientes.

Vamos entender como ocorre o passo a passo.

1. Pesquisa

Tudo começa através de pesquisas diversas, partindo das principais tendências, entre desfiles, principais eventos mundiais, filmes, e até mesmo novelas. (Dentre essas informações é importante notar modelagens, tecidos, cores, shapes, estampas, aviamentos, etc.)

1

2. Definir briefing

Além da pesquisa, precisa de um cronograma passo a passo para que saia tudo nos conformes. Com os 4 tópicos a seguir conseguimos ter uma visão de como ficará a coleção e ter uma direção para nos guiar durante todo o processo.

  • Tema de coleção: assim temos uma linha a seguir;
  • Cartela de cores: para se obter uma coleção harmônica;

2

  • Prévia de aviamentos e de tecidos: para facilitar o processo de modelagem.
  • Mix de produtos: aonde irá se formalizar quantas peças (calça, camisa, saia, vestido etc,) por modelo irá compor a colação.

3. Desenvolvimento

Agora é hora de colocar toda essa pesquisa em prática.3

  • Desenho: onde se aplica todas as pesquisas a um croqui, onde fica fácil a visualização de toda a equipe para o desenvolvimento;
  • Modelagem: Todo desenho é chapado, portanto é necessário transforma-lo em tamanho real;
  • Corte e costura: a elaboração concreta da peça ocorre agora, onde o que estava no papel se torna real;
  • Prova: Antes da peça ser reproduzida diversas vezes e em tamanhos diferentes é feita uma piloto para que todos os ajustes necessários sejam corrigidos, entre eles: modelagem, caimento do tecido, tamanho correto, comprimento, etc.;
  • Aprovação e lacração:
  • Ficha técnica: Essa parte é importantíssima para que saia tudo correto na produção, a pessoa responsável por essa etapa tem de avaliar todos os itens que compõe cada modelo da coleção.

A ficha deve conter o máximo de informações possíveis, como consumo e tipos de tecidos, cores, aviamentos (cores e tamanhos se houver), etc.4

Finalizada toda essas etapas, todas as informações são passadas para o PCP (planejamento de controle de produção) onde irão ver a melhor forma de organizar e distribuir o trabalho para as oficinas.

Prontinho agora é só produzir!!!!

gatocostureiro

Por Rafaela Monserrat professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion de São Caetano do Sul.

Referências: 1, 2, 3 e 4

 

O que é uma confecção?

FOTO 01

Confecção nada mais é que sinônimo de fábrica de roupas. É onde trabalham costureiras, modelistas, cortadores, estilistas e o proprietário, responsável por ficar a par de  todas as etapas, tais como: criação, fabricação e venda das roupas em um estabelecimento próprio ou através de colegas ou fornecedores responsáveis para reabastecer as lojas.

Hoje, ainda existem duas formas de trabalhar com uma confecção: por encomenda e com criação própria. Por encomenda, no esquema de oficina por exemplo, é preciso aguardar que clientes solicitem pedidos, fornecendo o modelo e solicitando para que seja entregue no prazo estipulado. Neste modelo de confecção, costuma-se atender empresas, lojas, terceirizados, entre outros: são os clientes sazonais. Na segunda opção, a marca cria suas peças próprias, e a venda é direcionada às boutiques: este modelo é o mais indicado, o mais lucrativo, e que, consequentemente, atrai mais empreendedores. Porém, neste caso, o proprietário deve criar sua própria marca, pesquisar tendências e montar seu planejamento, pois só assim saberá se a empresa fará ou não sucesso no mercado.

FOTO 02

Investimento inicial para montar sua confecção

Dependendo do porte da empresa, o investimento não será baixo: dependemos muito da quantidade de máquinas que serão adquiridas. Se a confecção for de pequeno porte (por exemplo, uma oficina caseira) o gasto é mais baixo, pois irá envolver apenas a mão de obra (que normalmente é do próprio dono da empresa) e maquinário simples, como, por exemplo, uma máquina de costura reta e uma overloque ou ambas caseiras, tecidos e aviamentos (linhas, botões, agulhas, acessórios para a máquina, etc). Este modelo não é muito recomendado, pois a produção é lenta e perdem-se grandes oportunidades de encomenda, visto que não é possível fabricar uma grande quantidade de peças em curto espaço de tempo.

FOTO 03

Para se posicionar no mercado de trabalho, não existe uma fórmula mágica: você terá que usar a velha tática do boca a boca, demonstrando seus produtos. Monte uma coleção bacana, com suas ideias, fotografe e monte um catálogo (portfólio). Ofereça em lojas de roupas próximas a sua cidade ou mesmo pela Internet, tenha força de vontade e corra atrás de sua clientela! Fidelização do cliente e os diversos pedidos só irão surgir com o tempo.

Mais uma dica para quem esta começando é a divulgação por meio de mídias sociais, como uma página própria no facebook, instagram e diversos outros: dessa forma você terá a oportunidade de contar com amigos que compartilharão seus produtos com outros amigos. Essa (ainda) nova forma de divulgação já é muito utilizada atualmente, e dependera do seu capital: quanto maior o investimento, maior o retorno.

imagem 9

 

O mais importante, depois da decisão tomada, é se preparar com cursos adequados de modelagem e costura, estabelecer qual será seu público-alvo, ler muitas revistas e livros de moda e nunca deixar de pesquisar as tendências e as novidades do mercado. Saber o que seu público quer vestir, e poder suprir suas necessidades, é essencial para deslanchar sua marca!

*

Por Ana Paula Lopomo Amaral, professora do Núcleo de Modelagem da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9

O desenvolvimento do processo criativo

No meio da moda, estamos sempre falando, escrevendo e ouvindo falar sobre criatividade. Mas você já parou para pensar no que é essa tal criatividade?

Sem título-1

A criatividade já foi definida pela ciência e por diversos pensadores como uma das grandes capacidades humanas, pois faz parte do impulso biológico cerebral que incita a evolução da espécie. Portanto, todos a carregam dentro de si. O que muda de um indivíduo para o outro é o quanto ela é ou foi desenvolvida ao longo dos anos, além de qual perfil criativo cada pessoa tem, pois o fenômeno da criatividade se manifesta não somente na arte em geral, mas nos contextos sociais, políticos, científicos, etc.

Apesar das divergentes definições técnicas do termo, sabemos com segurança que a criatividade existe a partir do momento em que ocorre a percepção de um problema (ou necessidade) que precisa ser resolvido. A partir do pensamento sobre ele, a criatividade é que se encarrega de nos trazer soluções, passíveis ou não, para o mesmo. Sem título-1

O processo criativo se resume a 4 passos, bem definidos:

#1 percepção do problema ou desafio

#2 a teorização (convertê-lo em modelo teórico ou mental, usando, por exemplo, métodos de comparação com situações anteriores)

#3 consideração da solução (criação da solução, após estudo das possibilidades)

#4 produção da solução (individual ou em equipe, significa converter a ideia mental em prática).

Todo processo deve ter, necessariamente, começo, meio e fim.

Na moda, esse processo começa sempre na resposta para três perguntas básicas, antes de qualquer croqui ou peça:

Pergunta 1: por que a criação?

Pergunta 2: pelo que?

Pergunta 3: para quem irá fazê-lo?

Quaisquer sejam as respostas para essas perguntas, é a partir delas que a coleção começará a se definir. Depois desta base, virão o processo de pesquisa, as determinações para ela, e o trabalho de criação em si, que virá acompanhado das resoluções de problemas, durante a confecção, ou anteriormente, quando da aprovação dos modelos.Sem título-1

O mais importante é lembrar que todos temos o gene da criatividade dentro de nós, mas precisamos dimensioná-lo para o foco que pretendemos atingir. Como qualquer habilidade emocional humana, a criatividade também cresce de acordo com nosso próprio desenvolvimento.

*

Por Haranin Julia Maria – Professora do núcleo de moda da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4 e 5