Arquivo da tag: Consumidor

Moda: Planejando um produto

Pensar em novos produtos tem sido desafiador no mercado de trabalho.

Nos dias de hoje, o consumidor têm acesso a inúmeras opções de ofertas e informações. Isto afeta diretamente sua relação com a compra, ele pode repensar seu consumo e optar cada vez mais por adquirir apenas o necessário ou algo que tenha semelhança com a sua personalidade.Resultado de imagem para vitrine gifs

O consumidor vai além da mercadoria e valores do produto. Ele busca conhecer a empresa e seu histórico em comparação aos concorrentes, e se vale a pena adquiri-lo.Resultado de imagem para fashion store gifs

Cada vez mais, o preço vem sendo substituído pela experiência, a interação com o público-alvo, o propósito de estar, ser, vender e voltar para comprar novamente. É necessário estabelecer relações interpessoais que ganham vida e história, pois hoje o foco está além do produto, como sua embalagem, formas de entrega (caso opte por comprar o produto online), como é abordado na loja e muitas outras coisas…

Em nosso curso de Estilo – Designer de Moda, você aprende a identificar e estabelecer essa relação com o consumidor. Saiba mais em nosso site.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6.

 

Bureaux de Estilo: Para que serve afinal?

foto 1

Moda nem sempre é conceitual, onde o estilista pode viajar nas criações.

Em 1961, foram criados os primeiros escritórios de estilo, passando assim o vestuário industrializado de massa pela mudança de estatuto, tornando-se integralmente um produto de moda.

foto 3

Resumindo, é um livro onde são ditadas as tendências de moda. Deve ser parte do trabalho de um estilista para que ele transforme em orientação para criação de moda. Essas tendências são econômicas, culturais, políticas e estéticas. Já, para aqueles que trabalham nos bureaux de estilo, é extremamente importante captar perfeitamente o quê move a sociedade e todos os elementos que a compõe, para que assim as tendências influenciem no próprio comportamento do consumidor.

foto 2

Se você ficou curioso para saber como são utilizadas as tendências do Bureaux, relaxe! Conheça nosso curso de Estilo você aprende isso e muito mais…

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação Sigbol Fashion

Referências: 12. RVB Malhas, Rovitex Malhas.

Apostila de Estilo Sigbol Fashion, Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion, Dicionário da Moda Sigbol Fashion.

A importância de ter uma equipe de vendas bem treinada

É muito importante nos dias de hoje que a equipe de vendas de determinada marca tenha conhecimentos reais para poder auxiliar o cliente na hora das compras.

imagem1 basico

Não é todo mundo que tem “senso fashion”, ou seja, que sabe combinar as peças, as cores, estampas e que sabe o que fica melhor na sua silhueta, como valorizar as formas do corpo. Portanto o Consultor de Moda pode e deve auxiliar o cliente a fazer as melhores escolhas.

Hoje em dia chamamos de Consultor de Moda, o vendedor que passou pelo treinamento de um personal stylist.

A maioria das lojas e marcas já se atentaram para o fato de que o vendedor não deve apenas vender as roupas, mas ajudar o cliente a se vestir, de acordo com seu estilo, silhueta e necessidades reais.

Os clientes estão cada vez mais bem informados e portanto não suportam mais opiniões “erradas “ de vendedores .

imagem 2 basico

Um vendedor bem treinado fideliza o cliente. Este se sente valorizado na loja e se torna fiel à marca. Não sente que o vendedor está apenas querendo empurrar as peças de roupa.

Uma boa equipe de vendas (consultores de moda) agrega valor à marca e aumenta os lucros dela!

Quer saber mais? Venha estudar com a gente!

*

Por Andreah Muniz – Professora de Personal Stylist da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2.

Customizar, customizando, customizado!

Montagem 1

Você certamente já ouviu falar em customização, caro leitor (Não sabe ainda o que é? Ah, vá! Então corra aqui pra descobrir). Customizar, em nosso ramo, significa transformar uma peça antiga (ou nova e comum) em outra, diferente, para adaptá-la à sua necessidade, ou no caso, ao seu estilo. Surgiu da expressão inglesa “custom made”, que designa algo feito sob medida, ou seja, exclusivo. Mas você sabe onde e quando o costume da customização espalhou-se pelo mundo?Montagem 2

De acordo com estudos, o costume de adaptar e decorar roupas, acessórios e demais objetos nasceu ao final da década de 60, com o surgimento, crescimento e consolidação do movimento hippie através do mundo. Ao pregarem a igualdade entre os sexos, todos utilizavam roupas usadas, geralmente garimpadas junto aos pais e avós ou em lojas de artigos usados (berços dos nossos brechós), que ao serem reformadas, ganhavam outro aspecto. Daí o uso das roupas com aparência artesanal, tingidas em técnicas de tie dye ou dip dye e trabalhadas com aplicações de retalhos ou bordados.

 

No Brasil, a customização surgiu por volta da década de 90, da necessidade de impor atitude e personalidade ao modo de vestir. Hoje, é uma ótima alternativa à questão da sustentabilidade, pois reutiliza peças já prontas para criar novas, sem desperdício de material, além de ser uma solução econômica para peças desgastadas ou que sofreram algum “acidente”, como manchas, rasgados, etc.Montagem 3

Além dos fatores acima, a customização agrega valor à peça: a partir de uma peça básica, sem grandes atrativos, cria-se um look exclusivo e cheio de bossa, com informação de moda para dar e vender! E você, gostou da ideia?

 

*

Po Haranin Julia Maria, professora de desenho de moda no núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11

 

 

Escolhendo tecidos para sua peça: a importância do caimento

Montagem 1

Todos nós já visualizamos uma peça linda na vitrine, e, quando entramos para provar, já nos decepcionamos com o caimento da peça, certo? Pois saiba que isso acontece com mais frequência do que você imagina, e está diretamente ligado à escolha errônea do tecido.

sem rosto

Saiba, inicialmente, que a escolha do caimento do tecido, além da composição, é uma das fases mais importantes para que a peça fique exatamente como o imaginado e tenha o uso a que se destina.

Por exemplo, uma peça de alfaiataria como calça ou blazer, que necessita de caimento mais seco, que fique longe do corpo, não deve ser feita com tecidos muito fluídos, como musselina de seda, seda pura, viscolycra, etc. Todos são tecidos que marcam o corpo por serem molinhos. Já para uma blusa fluída, com gola laço, o ideal é uma das opções acima, exatamente por ser uma peça cuja característica é criar volume controlado na região do pescoço através do laço caído.Montagem 3

Gostaria de saber tudo e muito mais sobre tecidos e caimentos? Acompanhe nosso blog, para mais posts e o calendário da Sigbol para nosso workshop sobre tecidos, em breve!

*

Por Haranin Julia, professora de Desenho de Moda no Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2 e 3