Arquivo da tag: conforto

Calças para o verão 2017

Nas últimas estações todas as modelagens foram usadas, para este verão a aposta são nas peças em modelagem reta, ampla, cintura baixa e tecidos molinhos.

fdgf

Tanto nos desfiles nacionais e internacionais a aposta é um estilo mais relax, conforto é a ordem da estação. Este modelo favorece vários tipos físicos e cabem em todas as produções das esportivas às mais sofisticas.

pop

*

Por Elizangela Gomes professora do núcleo de criação da escola de moda Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14.

Vamos de moletom ou de jaqueta ?

Neste inverno a palavra-chave é conforto, para os próximos dias frios a aposta é o blusão de moletom, peça que foi muito usada nos anos 80 e 90, era praticamente o uniforme da garotada.

foto 1 foto 2 foto 3 foto 4

Neste inverno o moletom aparece over, liso ou estampado, como gola ou capuz. Ele aparece maior ou ajustado. Essa peça pode ser coordenada de várias maneiras, mais esportiva ou casual. A cartela de cores vai dos neutros ou coloridos.

12

Outra peça que entrou em cena desde estações passadas é a jaqueta bomber, ele pode ser coordenada com saias,vestidos ou calças. A aposta é em couro ou em tecidos mais leves.

foto 11 foto 12 foto 13

As jaquetas mais básicas são mais fáceis de coordenar, mas pra quem gosta de ousar aposte nas estampadas. Neste inverno ela também aparece com apliques e bordados com ares de customização, que faz toda a diferença pra quem deseja uma peça personalizada.

foto 14 foto 15 foto 16 foto 17 foto 18

*

Por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 2526 e 27 

Os jeans queridinhos desta temporada.

foto 21Na moda dos últimos tempos o jeans skinny tornou-se unanimidade. O elastano deixou essas calças justas mais confortáveis e este modelo compôs desde looks mais sensuais até os mais fashionistas.

foto 1 foto 2

O jeans skinny invadiu o guarda-roupa das mulheres e homens, mesmo para o público que não liga muito para as tendências. Mas nas últimas temporadas esse modelo está timidamente sumindo.

foto 3 foto 4

Nos últimos desfiles a aposta foram calças mais rígidas, nostálgicas, e com modelagem mais larga em tecidos menos maleáveis e a cintura no lugar com o comprimento até o tornozelo.

foto 5 foto 6 foto 7

A Levi’s 505 sai do look retrô para invadir o street style dos últimos desfiles. O modelo throback -calça mais larga com uma pegada relex, que não acentua a silhueta- se encaixa no estilo genderles que está muito em alta. A onda dos sem gêneros está presente em vários tipos de produtos.

foto 8

Mesmo com essa nova proposta na modelagem do jeans, o modelo skinny não sairá de cena, principalmente porque ainda é uma peça queridinha de determinados consumidores.

foto 9 foto 10 Mas para quem gosta de novidades apostem na flare, nas  pantalonas, na pantacour ou de corte reto e sequinho que ajudam a esconder certas partes do corpo.

foto 11 foto 12 foto 13 foto 14 foto 15 foto 16 foto 17 foto 18 foto 19

*

Por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 12345678910,1112131415161718192021222325.

 

O polêmico chinelo it-shoe.

Um novo chinelo (it-shoe) está fazendo a cabeça das fashionistas, ou melhor os pés. Este acessório antes era considerado uma peça para ficar em casa. O chinelo de tira grossa começou a ser desejado depois que ele ficou popular com a Adidas, que inicialmente desenvolveu um modelo para os atletas usarem no chuveiro depois dos treinos. A Adidas repaginou o calçado que acabou virando um hit na moda atual.1

Em 2012 e 2013, algumas marcas já anteciparam essa moda, primeiro a Céline apostou em versões felpudas, depois a estilista Misha Nonoo apostou no modelo Adilette da Adidas , declarou que são confortáveis e combinam com tudo.

foto 4foto 17

Com ares retrô, de volta dos anos 90, este acessório também conhecido como slide dá pra gente a chance de fazer várias produções. Desde looks femininos como lady like, esportivo ou com peças clássicas. Algumas pessoas adoraram, outras odiaram, mas a verdade é que este acessório está super em alta.2

Este chinelo foi produzido com vários tipos de materiais e cores.3

A Melissa também entrou na onda deste chinelo.foto 14

É só escolher qual tem o seu estilo.

Uma grande influenciadora desta tendência no Brasil é a blogueira Magá Moura, ela usa vários modelos da Nike em seus looks. A blogueira ganhou o primeiro par da estilista Juliana Jabour que trouxe de Nova York. Segundo Magá Moura são confortáveis e muito estilosas.

Esse acessório não é só pra ser usado no verão, Magá Moura adora usar nos dias frios com meias dando um ar divertido. Um dos looks que mais gosta é com camisetão, que deixa o visual bem despojado.

Segundo a blogueira, virou moda porque a cada dia o conforto se torna mais prioridade.foto 1 foto 3

*

Por Elizangela Gomes,  professora do Núcleo de  Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15.

Moda sem Gênero ou Genderless, vai pegar?

No início deste ano, a Louis Vuiton fez uma campanha para a coleção feminina e ousou em convidar o filho de Will Smith, Jaden Smith de 17 vestindo um look total feminino, causado murmurinho no mundo da moda. Ele não foi escolhido à toa, dono do seu próprio estilo.foto 1 foto 2

Esta campanha reforça a onda da moda sem gênero que invadiu as passarelas de outras marcas, este estilo é também conhecido como plurissex, genderless, agender , gender-bender ou moda andrógena. Mas como definir este estilo, que vem ganhando força no mundo da moda e nas ruas.foto 3 foto 4

Chanel foi uma das primeiras a viajar no universo masculino, usando peças masculinas dando liberdade ao corpo em uma época em que as mulheres se apertavam com os espartilhos. Baseada nas modelagens das roupas masculinas desenvolveu roupas elegantes e confortáveis para o público feminino. Baseada em suas próprias necessidades, Chanel deu liberdade e conforto para o público feminino.3

Desde 2015 este estilo começou timidamente a aparecer nos desfiles tanto nacionais como internacionais e está se fortalecendo neste ano de 2016. Mas será que realmente vai pegar?4

Para responder esta pergunta é só fazer uma análise do comportamento do atual consumidor, principalmente os mais jovens, que adoram freqüentar os setores de peças masculinos para compor seu visual fashion e confortável. Quem nunca ousou em pegar emprestada uma peça do guarda-roupa do namorado, do pai ou do irmão?5

As peças do estilo sem gênero vestem tanto homens e mulheres, sua modelagem é desenvolvida para ambos, principalmente em tecido plano que possibilita um bom caimento.6

Mesmo com essa mudança algumas marcas ainda acham importante a divisão de peças feminina e masculinas. Mas essa nova geração de consumidores não se importa tanto com essa divisão.

Quando o mercado começar a entender a linha de raciocínio deste consumidor que é simples, “eu gosto, eu compro”, surgirão lojas sem divisão de gênero.foto 17 foto 18

Algumas marcas desde o ano passado já aderiram a este estilo simples , sem gênero . Na Gucci no desfile de inverno 2016, mulheres e homens vestidas com as mesmas roupas, não dava pra identificar qual era o sexo que estava desfilando. Na mesma temporada outros criadores fizeram o mesmo, como a Prada, Armani, Kenzo e Vivienne Westwood.7

No Brasil também para o inverno 2016 o estilista Ronaldo Fraga aderiu a mesma proposta, ousou na passarela com uma performance, onde os modelos tiraram a roupa e fizeram a troca.foto 24 foto 25

O lado positivo deste estilo sem genro está na redução de custos,  diminuir estoques, melhor aproveitamento das matérias-primas e minimizar o tempo para produção das peças devido a padronização da modelagem.

Lembrando que a moda é para todos, o mercado precisa ficar atento nas mudanças de comportamentos que geram novos mercados.  Em breve, vestir calças, saias, rosa ou azul, blusas com laços não vai ser mais coisa de menina ou menino. Simplesmente será mais uma opção estética, que vai muito além do estilo.

*

Por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28 e 29.