Arquivo da tag: comportamento

As primeiras revistas de moda.

Nos dias atuais, os profissionais ou as pessoas que adoram se manter informadas, não vivem sem folhear uma revista de moda, seja impressa ou digital.

foto 15

As revistas existem há muito tempo. Em 1663 na Alemanha surgiu a primeira revista, com o nome de Erbauliche Monaths – Unterredungen ( Edificantes Discussões Mentais) a publicação foi criada pelo teólogo Johann Rist, os textos possuíam cunho didático com temas variados.rist

Em 1693 na Inglaterra, surgiu a primeira publicação voltada para a moda, Ladies Mercury, suas matérias traziam desde poesias, moldes e dicas de como se vestir.

Outras publicações voltadas para moda surgiram nos séculos seguintes, em 1770 a Lady’s Magazine foi pioneira ao falar sobre figurino, em 1820 Godey’s Lady’s Books começou com a reprodução de artigos franceses e posteriormente, tornou-se a maior revista feminina do século XIX. O foco eram os editoriais de moda ilustrados que traziam as tendências apresentadas em Paris.

foto 1 foto 16

No ano de 1867, foi lançada nos Estados Unidos a Harper’s Bazaar. Inspirada na revista alemã Der Bazar que abordava temas como vida doméstica, literatura, decoração e moda. Com o passar do tempo, passou a ditar tendências para outras publicações. Nos dias de hoje é uma das mais importantes revistas de moda no mundo.

foto 2 foto 3 foto 4

Em 1892 foi criada a Vogue, com o titulo de “Bíblia da Moda”, por Arthur Turnure.

Inicialmente a publicação tinha tiragem semanal sobre a sociedade e tinha como público a alta sociedade de Nova York.

Em 1909, a Condé Nast adquiriu a revista enxergando seu potencial para vender roupas para elite. Neste período, Diana Vreeland atuou como editora e lançou o título de publicação de moda mais importante do mundo, até os dias de hoje.

foto 5 foto 17 foto 18 foto 19

Apesar de pioneira na área de moda, a França só lançou a sua primeira revista de moda em 1945, a famosa Elle, por Lazareff e sua esposa Hélène, também surgiu como publicação semanal e atendia o público feminino do pós-guerra, mulheres de classe média que viram a necessidade de ingressar no mercado de trabalho. Os modelos de alta costura eram publicados com dicas de como adaptá-los em peças para o dia a dia e baixo custo.

foto 10 foto 20 foto 21

No Brasil a primeira revista chegou em meados do século XIX, junto com a corte portuguesa, mas a primeira revista brasileira só foi lançada em 1812 em Salvador, chamada “As Variedades ou Ensaios de Literatura”. Era muito parecida com as revistas estrangeiras, suas publicações traziam novelas de gosto comum, fragmentos de história antiga e moderna, artigos de estudos científicos e discurso sobre costumes e valores sociais e textos de autores clássicos portugueses.

Com a ajuda da elite intelectual, aparecem novas revistas como “O Patriota”, “O propagador das Ciências Médicas”, mas a primeira revista feminina foi “Espelho de Diamantino”, continha assuntos variados como política, arte e moda, de forma simplificada, lançada em 1827 por Pierre Plancher.

Em 1928, foi lançada a revista “Cruzeiro” pelo jornalista Assis Chateubriand com publicações semenais. A revista trazia os principais fatos jornalísticos da semana, os avanços tecnológicos no mundo pós-primeira guerra, unido a uma boa edição, diagramação e ilustração, logo a Cruzeiro se tornou um sucesso de vendas, atraindo vários tipos de públicos.

foto 11 foto 12 foto 13

O desenvolvimento industrial e social propiciou o surgimento de revistas segmentadas, voltadas para um público específico. Assim foi lançada em 1952 a revista Capricho, em 1959 a revista Manequim e em 1961 a revista Cláudia. Daí em diante começaram a surgir várias revistas, atendendo a demanda de cada público.

foto 7 foto 8 foto 9

*

Por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 123,456789101112,13141516171819202122 e 23.

 

Bureaux de Estilo: Para que serve afinal?

foto 1

Moda nem sempre é conceitual, onde o estilista pode viajar nas criações.

Em 1961, foram criados os primeiros escritórios de estilo, passando assim o vestuário industrializado de massa pela mudança de estatuto, tornando-se integralmente um produto de moda.

foto 3

Resumindo, é um livro onde são ditadas as tendências de moda. Deve ser parte do trabalho de um estilista para que ele transforme em orientação para criação de moda. Essas tendências são econômicas, culturais, políticas e estéticas. Já, para aqueles que trabalham nos bureaux de estilo, é extremamente importante captar perfeitamente o quê move a sociedade e todos os elementos que a compõe, para que assim as tendências influenciem no próprio comportamento do consumidor.

foto 2

Se você ficou curioso para saber como são utilizadas as tendências do Bureaux, relaxe! Conheça nosso curso de Estilo você aprende isso e muito mais…

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação Sigbol Fashion

Referências: 12. RVB Malhas, Rovitex Malhas.

Apostila de Estilo Sigbol Fashion, Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion, Dicionário da Moda Sigbol Fashion.

Tribos Urbanas – 9: Movimento Grunge.

painel 1

O Movimento Grunge surgiu no final da década de 80 em Seattle (EUA), quando era necessário surgir um novo ritmo autêntico para o rock, afim de atingir os corações mais “undergrounds” e também os mais “pops“.
Assim como as outras contraculturas os grunges abominavam qualquer padrão ou rótulos, e no estilo musical tentaram ser tão diferentes que acabaram por criar um rótulo novo (estilo).
Ma este estilo musical só se tornou comercialmente conhecido no início da década de 1990, com a banda Nirvana.

Como toda subcultura vira life style, com esta não poderia ser diferente. O termo grunge – que significa “sujeira” ou “imundície” na língua inglesa – descreve tanto o estilo visual (cabelo desgrenhado, roupas velhas e folgadas) de bandas e fãs, quanto o som distorcido das guitarras que dão o ritmo às músicas.

Hoje em dia este estilo “podrinho” (chamado carinhosamente pelos adeptos ao estilo), é considerado cool entre os jovens.

Meninos & Meninas:

12 painel 3PAINEL 4

 

  • Camisetas de bandas (amassadas, rasgadas e desbotadas);
  • Croppeds soltinhos de algodão;
  • Camisasde flanela quadriculadas e/ou jeans;
  • Jaquetas jeans (aqueles achados de brechó);
  • Jeans destroyed;
  • Shorts jeans destroyeds;
  • Bolsas de couro (com aspecto envelhecido);
  • Toucas de lã;
  • Botas solado tratorado;
  • Tênis sujos;

Os grunges apoiam “o feio, o pobre, o sujo”, em oposição ao glamour. Pode contar, já saiu arrasando com o estilo grunge e nem sabia que ele surgiu nos anos 80, né?

Nós aqui da Sigbol adoramos o estilo “podrinho” e você?

*

Por Crislaine Lima, pofessora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 12345678910.

Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion.

Tribos Urbanas – 8: Emo.

Emo

2

Surgiram na década de 1980, nos Estados Unidos, tendo como raiz um gosto pelo rock e pelo punk, mas mais pelo chamado emocore, que mistura hardcore, com letras românticas. A partir daí o gênero musical veio mudando cada vez mais, até se tornar o que temos hoje, um rock romântico e melancólico.

Os emos são um grupo em sua maioria adolescentes que buscam pela auto-afirmação, e se consideram pessoas sensíveis, que convivem com a tristeza, e problemas que envolvem o amor, e a rejeição (como da própria família).  Mas, como em todas tribos, há os que entram nesta cultura apenas por estética ou pelo gosto musical, mas que não compartilham dessa depressão contínua.

4

Olhos pintados com lápis preto, adereços como cintos de grandes fivelas, além de piercings no rosto e roupas de cor predominantemente escura (embora existam os que prefiram outras cores), mas sua principal característica são os olhos cobertos com franjas.

5

Possuem uma estética andrógena e entre as peças mais usadas estão:

6

  • Calças bem justas, principalmente nos tornozelos;
  • Luvas e acessórios góticos;
  • Tênis coloridos;
  • Botas;
  • Bolsas e acessórios de couro;
  • Cintos grossos;3

E então, já escolheu sua tribo?

*

Por Crislaine Lima, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referência: 123456.

Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion.

Tribos Urbanas – 7: Clubbers.

Clubbers2Os clubbers surgiram em meados dos anos 90, eram jovens que só queriam sair para dançar e ouvir música eletrônica, e que apesar de acreditarem que era possível ter uma vida naturalista, se consideravam filhos da tecnologia. Foram os grandes responsáveis pela elevação da música techno e o principal ponto de encontro deles eram as raves.

Irreverentes, coloridos e nada discretos, esbanjavam identidade por onde passavam, com suas roupas e principalmente acessórios, em neon.1

A moda clubber era composta de uma mistura de peças caras, com as de lojas populares, ao estilo Hi-Lo. As cores mais usadas eram o cor-de-rosa e o verde fluorescente.

Maquiagens, tatuagens e piercings ajudavam a produzir o estilo, junto com os bilhões de acessórios. Tudo, com muita cor e energia.

5

Era possível reconhecer um, pelas blusas coloridas, com personagens de desenhos japoneses, saias e calças coloridas, leggings, tênis coloridos, maquiagens que brilham no escuro, estrelinhas, glitter, sombras coloridas (de rosa-choque a azul-piscina), piercings, tatuagens tribais e cabelos coloridos.

As meninas abusavam de pulseiras e colares coloridos, tic-tacs para cabelo de todas as cores, piranhas que brilhavam no escuro, anéis supercoloridos e grandes.

4

Esta tribo influencia até hoje, marcas de roupas, sapatos, bolsas e até esmaltes, com suas cores e energia.

710811

*

Por Crislaine Lima, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 12345678.
Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion.