Lingerie Plus Size

Para quem já ouviu esse termo, mas não sabe do que se trata, vamos entender o significado da palavra Plus Size. Este termo foi criado pelos americanos para modelos de roupas acima do padrão convencional vendido nas lojas, ou seja, Plus Size = Tamanho Maior, aquele que está acima do tamanho 44.
Na verdade, foi uma forma de incluir modelos maiores no mundo da moda e aumentar a venda de roupas já que para esse nicho é mais difícil encontrar peças que valorizem os shapes.

2

O Brasil adotou este sistema de modelagem que vem ganhando espaço. Agências de modelos, confecções e lojistas já estão incluindo o modelo plus size em suas linhas de produtos.

Infelizmente o segmento de lingerie Plus Size ainda está deixando a desejar. Quem veste este padrão, normalmente, encontra nas lojas aqueles conjuntinhos de tom nude e, às vezes, não muito elaborados.

Contudo, no curso de Moda Íntima & Praia da Sigbol Fashion, você pode soltar sua criatividade elaborando os mais variados modelos, Plus Size ou não.

4

 

 

Contamos com um sistema geométrico onde você constrói seu manequim e confecciona suas peças!!

1

Então para quem quer abrir uma confecção, trabalhar em uma ou apenas for uma mulher que veste do tamanho 44 para cima e que não encontra lingeries bonitas, elaboradas e de cores variadas, o curso certo para você é aqui! Veja um pouquinho do que você pode aprender com a gente!

Um sutiã desenvolvido pelo núcleo de modelagem da Sigbol Fashion, modelo tomara que caia que ainda tem pouca aceitação no universo plus size, pois precisa de sustentação reforçada e muitas mulheres acreditam que ele pode deixar a impressão de que tudo está “saindo para fora”, o que não é verdade, desde que a modelagem esteja bem feita. Com a modelagem certa tudo é possível!!

5

 

Fizemos esse modelo para que vocês entendam melhor o processo de produção, começando, claro, pela modelagem. Aqui você aprende a confeccionar peças, passando por todo o processo de produção.

*

Por Andréia de Araújo, professora do núcleo de modelagem da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2 e 3

Creative Friday – Ballerina Project

No Creative Friday desta semana, o mundo de graça e leveza da dança deu o tom das ilustrações: o balé e, mais especificamente, o Ballerina Project, inspirou nossas professoras.

O Ballerina Project é um projeto criado pelo fotógrafo Dane Shitagi, ao longo dos últimos 12 anos, e seu diferencial é que, ao invés de fotografias comuns sobre dança, Dane busca retratar o amor e as emoções de cada bailarina pela dança e por sua cidade.

Para isso, Dane, até hoje, utiliza câmeras e filmes tradicionais, e somente na primavera de 2012, para algumas imagens, optou pela fotografia digital. Todas as bailarinas são profissionais de companhias ou estudantes de faculdades especializadas e são retratadas enquanto realizam uma cena musicada em algum ponto das cidades e países por onde o projeto passa.

Confira!!

DSC_0002 DSC_0004 DSC_0006 DSC_0007 DSC_0010 DSC_0012 DSC_0015 DSC_0017 mural_bailarinas

Creative Friday – Richard Avedon

Nascido na cidade de Nova York em 15 de maio de 1923, Richard Avedon foi um dos principais responsáveis pela expansão da indústria da moda da “era das supermodelos”. Abandonando as poses rígidas e formais em prol de representações mais naturais e irreverentes, o fotógrafo mudou os parâmetros das fotografias de moda e  serve de inspiração até hoje. Com 12 livros publicados e mais de 30 prêmios em seu currículo, ele chegou a ser considerado o fotógrafo mais bem pago do mundo.

Faleceu nos Estados Unidos, em 1º de outubro de 2004, aos 81 anos, após um derrame cerebral.

Confiram a nossa homenagem ao ícone!

DSC_0004 DSC_0006 DSC_0009 DSC_0020 DSC_0016 DSC_0014 DSC_0012

Referencia OK

 

mural_richarol

Creative Friday – Elvira, a rainha das trevas

A personagem dos anos 90 que abrilhantou nossas sessões da tarde com suas curvas voluptuosas deu o ar da graça no Creative Friday dessa semana. Com seu estilo que nos remete á outras personagens dos clássicos de terror como Lily Munster, Morticia Adams e a noiva de Frankenstein, “Elvira, a Rainha das Trevas” inspirou nossas professoras com seus gracejos, piadas sarcásticas, muita sensualidade e bom humor!

DSC_0002 DSC_0007 DSC_0009 DSC_0013 DSC_0014

todos

foto_croqui

Saiba um pouco mais sobre o curso de Visual Merchandising & Vitrine

O Visual Merchandising nasceu na década de 1840 com o surgimento das grandes lojas de departamento. O fenômeno começou na França, e ficou restrito à capital, Paris, por um tempo. Em 1852, Le Bon Marchê abriu sua primeira loja. A partir daí, o VM se difundiu para os Estados Unidos e se firmou como técnica imprescindível para alavancar as vendas e atrair clientes para dentro do ponto de venda.

Presenciamos, a partir de 1852, o surgimento das primeiras vitrines cenográficas, o que culminou com o aparecimento da tecnologia para produzir grandes vidraças. As vitrines eram verdadeiros cenários – muitas vezes, até bem teatrais.

O Visual Merchandising hoje é aplicado em diversos setores do mercado, lojas de moda e acessórios (enfoque do curso Visual Merchandising e vitrine da Sigbol), centros de estética, cabeleireiro, barbearia, floricultura, supermercado etc. O objetivo é atrair o cliente para dentro do ponto de venda com uma vitrine esteticamente convidativa. Algumas técnicas são empregadas e geram um excelente resultado, por exemplo, escolher 2 ou 3 cores apenas e compor todos os looks dos manequins.

foto 1

Pode-se dispor os produtos em desníveis, aguçando o olhar do cliente em observar todo o contexto da vitrine

foto 2

ou utilizar a repetição de um mesmo elemento para produzir uma cenografia de fácil compreensão e impactante. Neste caso, cilindros com acabamento metalizado.

foto 3

Uma vez que o cliente está dentro do PDV, o intuito é aproximar ao máximo o produto do cliente, direcionar sua atenção, facilitar sua locomoção dentro da loja. De maneira geral, proporcionar ao cliente uma experiência agradável e positiva. O design da loja, também chamado de atmosfera de compra, deve ser adequado ao público-alvo e ao produto comercializado.

Aprenda estas técnicas e muitas outras no curso de Visual Merchandising & Vitrine para o Varejo de Moda da Sigbol.

Atualmente, no Brasil, vemos o VM ganhando força em lojas de todos os portes, das maiores às pequenas. Todas têm um grande objetivo em comum ao contratar profissionais de VM para cuidar do ponto de venda: o de alavancar suas vendas.

*

Por Danilo Centemero – Professor de Visual Merchandising e Vitrine da Sigbol Fashion

Referências: 1.