Voltando às origens – Moda e Arte na contramão do fast fashion

A evolução pela qual passou a moda em toda a sua história, e o “boom” capitalista que se tornou, se deve à revolução industrial e a produção em massa. Antes disso, os processos eram artesanais, envolvendo arte, sonhos, mãos habilidosas, pensamentos vagando entre agulhas e toda a sensibilidade que isso provoca – Não que hoje isso não exista mais, mas os processos industriais dominam e muitas vezes, bloqueiam um pouco o criativo, em uma corrida por produção, vendas exorbitantes e lucro imediato.

Enquanto isso na contramão, sobrevivem artesãos, costureiras, alfaiates, bordadeiras, crocheteiras entre outros profissionais que, mantendo tradições, sem pressa nem atropelos, mantém viva a arte da encomenda, do sob medida, da produção artesanal.

E não pensem que os sobreviventes são as vovós e titias! Despontou agora um movimento de “Slow Fashion” em que a produção artesanal tem superado a ansiedade por vendas e driblado a estrutura escravocrata, e dois nomes despontaram nessa trilha: Gabriel Pessagno, com seus bordados e Gustavo Silvestre, com seus crochês.

Gabriel Pessagno cursou moda  e após passar pelas estruturas rígidas da indústria, montou uma marca (River) e, insatisfeito, optou por pesquisar o trabalho feito nas maisons e deciciu que queria trabalhar cada peça de roupa artesanalmente.  

Gabriel já fez bordados para a marca Tilda, para ateliês de moulage e está iniciando sua produção. Assim, o garoto que fez roupas bordadas com parafusos, porcas, entulhos e pedaços de ferro velho para o TCC de seu curso de moda, está só no começo de uma carreira que promete deslanchar com muita sensibilidade e sucesso.

1, 2 e 3

            Gustavo Silvestre é natural do Recife, fez diversos cursos na área, ganhou prêmio de moda em Brasília e participou da Casa dos Criadores. “Até que fui pra China, havia uns investidores interessados no meu trabalho, a ideia era baratear a produção, que sempre teve essa coisa do manual, da estampa à mão. Voltei decepcionadíssimo. Ver aquela quantidade de roupas sendo feita, eles me perguntando ‘quantos contêineres você vai querer’, a estrutura deu um nó na minha cabeça”, conta o estilista. E após parar, repensar e respirar, acabou descobrindo uma nova trilha, e com a Stylist Chiara Gadaleta, do projeto Mãos do Brasil, mapeou comunidades de artesãos e com isso, acabou pegando gosto pelo crochê e resolveu aprender a técnica. Gustavo se diz muito mais realizado agora, atendendo com hora marcada e divuldando sua obra pelas redes sociais, “Eu não tenho escravo, está bem mais prazeroso. Ganhei uma cadeira de balanço, sento lá e se deixar, passo o dia me balançando e fazendo crochê”, conta. O estilista que já vestiu Karina Bu, Céu e Vanessa da Mata, agora prepara uma coleção de jóias de crochê para a estilista Adriana Barra.

4, 5 e 6

*

Por Camilla Capucci – Professora do núcleo de moda da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2 e 3.

Literatura Fashion – Edição Consultoria de Imagem / Personal Stylist

Demoramos mas chegamos: os top livros de cabeceira das professoras no quesito Personal Stylist! Foi muito difícil escolher os preferidos nesse quesito, visto que só eu tenho uns 200 preferidos, mas concluímos que estes são os mais mais pra ter na estante. Procurem seus exemplares, e caiam na leitura conosco!
Foto apostila - Arte de Vestir

APOSTILA “ARTE DE VESTIR”, de Sigbol Fashion: Não porque puxamos sardinha para nosso trabalho… mas simplesmente porque ele é muito bom mesmo!!  A apostila é um dos mais completos guias sobre vestimenta, e, principalmente, Personal Stylist, da área. Tanto que nos tornamos referência bibliográfica para uma diversa gama de profissionais e escritores do ramo no Brasil, como Isabella Fiorentino, consultora de imagem e apresentadora do programa Esquadrão da Moda. Foi uma das primeiras publicações brasileiras sobre o assunto, e faz parte do material de todos os cursos da escola. Então, você aluno, acabou de adquirir seu material e ainda não a leu, vá correndo estudar. Ou melhor, termine de ler o post, e aí sim vá correndo estudar!
Foto1

THE TRUTH ABOUT STYLE, de Stacy London: Quando iniciei na área de Personal Stylist, a profissão não era tão conhecida em nosso país, e, além da apostila do curso (acima citada), não havia variedade de livros brasileiros a respeito. Durante os anos seguintes, vários manuais foram e são lançados todos os anos sobre o assunto. Apesar de serem ótimos livros, em uma comparação geral, quase todos são iguais: como limpar seu guarda roupa, vestir isso, vestir aquilo, ou nunca mais vestir essa peça – está fora de moda e você não pode, etc. Mas pela primeira vez em muito tempo, Stacy conseguiu ir além em seu livro: nosso material são as pessoas, suas crenças, seus costumes, seu visual em geral. O livro fala um pouco sobre todas as pessoas que se candidataram e se expuseram para a “transformação”, e, mais importante, explorou maravilhosamente bem os motivos pelos quais essas pessoas chegaram a apresentar o visual que estavam apresentando, e como a percepção da necessidade de mudança chegou para todas elas. Um dos poucos livros que acredito que todos os Consultores de Imagem deveriam ter e reler de tempos em tempos!

Foto2

AS 100 MAIS – O GUIA DE ESTILO QUE TODA MULHER FASHION DEVE TER, de Nina Garcia: Pessoalmente, adoro os livros da Nina Garcia! Faço coleção! São livros práticos e muito gostosos de ler, que levam sempre em consideração a pessoa por trás do mesmo, ou seja, você, caro leitor! Além disso, todas as introduções falam um pouco sobre a vida da autora e seu relacionamento com a moda desde pequena até os dias atuais. Este, especificamente, lista as 100 peças mais utilizadas e mais básicas de todos os tempos, aquelas que podem estar na nossa lista de peças tem-que-ter do armário. Podem, porque aqui cada um estudará sua necessidade e o quanto cada peça tem importância no seu guarda roupa.

Foto 3

VISTA QUEM VOCÊ É – DESCUBRA E APERFEIÇOE SEU ESTILO PESSOAL, de Cris Zanetti e Fernanda Resende: Um ótimo livro com guia pessoal para descobrir-se, mas além disso, auxiliar os demais em suas descobertas pessoais sobre seu corpo, estilo, o guarda roupa que tem hoje e o que, na realidade, gostaria de ter. Escrito pelas consultoras da Oficina de Estilo, gostei muito do livro pois segue um pouco a filosofia da Stacy London sobre o que é ser personal stylist e qual nosso papel na mudança do visual das pessoas.

Foto 4

MODA INTUITIVA, de Cris Guerra: Não é um livro sobre personal stylist, propriamente dito. Porém, partindo de uma pessoa que faz experiências com moda todos os dias (a blogueira e publicitária Cris Guerra, dona do blog Hoje Vou Assim), o livro mostra um pouco de cada descoberta que a autora fez sobre seu estilo e seu tipo de corpo, mas, o mais importante para nós, como chegou a todas essas conclusões! Um livro para ler de uma vez só, mas pra guardar e reler de tempos em tempos. E aproveitar pra colocar a cachola para funcionar e treinar em seu próprio guarda roupas!
Foto 5

STYLE YOURSELF, de Jane Aldridge:  Um livro feito por blogueiros de moda pode dar certo? Alguns deles, regidos por Jane Aldridge (do Sea of Shoes) juntaram-se e nos provaram que sim, dá certo, e fica muito bom! É um livro muito legal para consultas infinitas, principalmente naqueles dias em que você está com um branco existencial de como combinar algumas peças e fazer dar certo para seu corpo e seu estilo pessoal. Mais um guia fashion que livro de personal propriamente dito, mas ainda assim muito bom para ter na estante.
Foto 6O LIVRO NEGRO DO ESTILO, de Nina Garcia: Mais um livro de Nina Garcia, e, nesse caso, fala sobre estilo pessoal, e como manter e cultivar o seu. Indispensável para a biblioteca particular do personal stylist.
Foto 7 O ESSENCIAL, de Constanza Pascolato: O livro mostra exatamente o que o título propõe, ou seja, o essencial que toda mulher deveria ter no guarda roupa, e como torná-lo mais funcional. Um livro clássico para qualquer estudante de moda.
foto 8 O PEQUENO DICIONÁRIO DE MODA, de Christian Dior: Um livro antiguinho, de 1954, que foi reeditado fazem alguns anos pela editora Martins Fontes, e surpreende por ser um dos guias mais atuais. Não no quesito moda, mas no quesito elegância. Este entrou para nosso rol top ten livros de personal porque prova duas coisas muito importantes: que muito além da roupa que você veste de manhã cedo, o que contará para o mundo serão sua elegância e sua postura dentro dela, principalmente a elegância e postura que você assume em relação aos outros que convivem com a sua pessoa. E que, acima de tudo, simplicidade e bom gosto não podem ser comprados junto com a etiqueta da loja!

Sabe de mais algum livro muito bom na área? Divide com a gente nos comentários!

*
Por Haranin Julia Maria – Professora do núcleo de moda da Sigbol Fashion

Referências: 1 e 2.

Creative Friday

Liliputi ou Lilliput, é o primeiro destino inesperado de um comum doutor que busca aventuras pelos mares do sul. Suas aventuras saem do planejado quando o navio afunda e Gulliver acaba parando em Liliputi. Parece que sua viajem tinha acabado mau, mas suas aventuras tinham apenas começado…

Foi daí que surgiu a inspiração do Creative Friday de hoje! Divirtam-se e boa sexta!

DSC_0014 DSC_0010 DSC_0009 DSC_0003

DSC_0031

Como surgiu a calça Pantalona?

A calça pantalona, que está de volta nas passarelas e no guarda-roupa feminino, existe desde 1909. Foi Poiret o primeiro a criar uma peça mais leve e larga, inspirado no Ballets Russes, mais não foi bem aceita pelas mulheres da época.

foto 1

Nos anos 20, uma das primeiras mulheres a incluir a peça em seu guarda-roupa foi Chanel que desenvolveu uma calça de modelagem larga, elegante e leve que nos anos 30 acabou virando saída de praia.

2 e 3

Em 1939, Elza Schiaparelli lançou um conjunto de abrigo com uma calça mais larga. Algumas mulheres, como as feministas, adotaram esta peça que acabou acompanhando o processo de emancipação feminina.

foto 11

Além de Chanel, Marlene Dietrich chocou a plateia do filme Marocco ao aparecer nas telas do cinema trajada de forma masculina (de paletó e calça ampla). Estas duas mulheres ficaram conhecidas pela personalidade forte e estilo e influenciaram o comportamento de muitas gerações.

4 e 5

Nos anos 40, durante a segunda guerra mundial, a calça se popularizou entres as operárias como uniforme. Como as mulheres foram obrigadas a trabalhar nas fábricas para sustentar suas famílias e substituírem seus maridos que estavam em campo de batalha, precisavam de peças com modelagem ampla que fossem confortáveis e que não marcassem o corpo, além de oferecerem conforto e maior mobilidade. Antes acostumadas a usar vestidos, passaram a vestir a calças pantalona.

6 e 7

No entanto, essa peça só virou tendência de moda com o movimento hippie, a partir dos anos 70, se popularizando entre as mulheres.

foto 10

Reapareceu várias vezes e desde o verão 2012 está desfilando nas passarelas internacionais e nacionais.

12 e 13

Hoje a pantalona é uma peça clássica, sinônimo de sofisticação e elegância.

foto 14

*

Por Elizangela Gomes – Professora do núcleo de moda da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4 e 5.

Manual Técnico História da Moda – Sigbol Fashion.

Como decidir sua carreira sem fazer a escolha errada?!

Iniciar a vida profissional e decidir a carreira que quer seguir são os passos mais complicados na vida de toda pessoa. O medo de fazer a escolha errada e acabar tendo que fazer o que não gosta ou começar uma carreira e ver que não era bem isso o que planejava e desistir, perdendo tempo e dinheiro com estresse, desespero e sem uma carreira em mente.

1

Quantas pessoas você conhece que no meio da graduação ou no final dela chegam à conclusão de que não era isso que queriam?

Quantos talentos que tinham tudo para dar certo na carreira, você já viu iniciarem seu próprio negócio e por uma decisão não acertada, ou por falta de noções básicas desistirem no primeiro ano ou segundo?

Quantos profissionais você já viu passarem anos no mesmo cargo dentro de uma empresa por não terem “o algo” a mais para ocuparem cargos de maior poder decisivo?

2

As estatísticas são assustadoras! E se estas pessoas tivessem tido a oportunidade de conhecerem em curto espaço de tempo, melhor o setor em que pretendem atuar, ou se organizar melhor sem um grande investimento na contratação de profissionais qualificados, ou ainda, oportunidade de ter uma visão geral do funcionamento de uma empresa de moda?

Identificou-se com algum destes casos?

Para ter sucesso no setor de moda, primeiro você precisa saber em que área quer atuar, como ser criativo e aproveitar cada oportunidade, saber como se apresentar, conhecer seu público, decidir seu produto e que matéria-prima usar para torná-lo viável, quanto custará para produzi-lo e qual o processo, terceirizar ou produzir? Como divulgar, como expor e como vender? Como construir uma marca sólida desde o início e estruturar um negócio rentável?

Em 5 meses, você encontra estas e outras respostas no curso Básico de Moda.