Enfermeira cria modelo de calcinha para transexuais

Silvana da Silva, técnica em hemoterapia de São Paulo enxergou uma possibilidade de negócio após conhecer os problemas de saúde vividos por travestis e mulheres trans.

Foi durante os plantões em hospitais da zona leste do estado de São Paulo, conversando com pacientes que Silvana percebeu os graves sintomas e problemas urinários acometidos em travestis e mulheres trans por ficarem muito tempo sem ir ao banheiro pois utilizavam fitas adesivas ou colas de alta fixação para esconder a genitália masculina.

Assim, Silvana teve a ideia de criar uma peça íntima em formato de funil, em que as mulheres transexuais pudessem esconder a genitália sem precisar utilizar fitas adesivas. E, além disso, que fosse prático e funcional para que elas fossem ao banheiro.

Mesmo com a ideia nas mãos, Silvana ainda enfrentou muita dificuldade em encontrar alguém que embarcasse no projeto com ela.

Silvana procurou profissionais e encontrou a designer de modas, Renata Martins, que também mora em Guaianases, e que resolveu abraçar o projeto. “Já costurei de tudo. Adoro fazer peças novas. Quando ela chegou aqui, eu nem poderia pegar o caso dela, mas por ser um projeto inovador e eu nunca ter feito nada do tipo eu resolvi tentar fazer e deu super certo”, disse Renata Martins em entrevista ao G1.

calcinha-trans-2019-04-17-f99a7820-fabio-tito-g1

Com o produto nas mãos, Silvana começou a divulgar seus produtos na internet e realizar vendas pelo celular. À medida que o negócio foi dando certo, foi ficando difícil conciliar o trabalho com os plantões noturnos nos hospitais, foi quando ela resolveu largar os dois empregos que tinha como técnica em hemoterapia e empreender.

A empresa de Silvana cresceu e hoje ela vende produtos dentro e fora do Brasil. Porém, a empreendedora diz que os ganhos da marca, por enquanto, só lhe permitem sobreviver. Segundo ela seu principal sonho é levar a invenção além do seu negócio. “Eu sempre falo que meu sonho é que um dia o uso da fita vire uma lenda urbana”.

*

Por Mayara Behlau, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s