Fast-fashion, até quando?

As grandes cadeias de loja, conhecidas também como magazines, são gigantes comerciais de capital aberto que possuem de cinquenta a quinhentos pontos de venda. Exemplos: Topshop, Gap, Forever 21, Zara, Hering, Marisa…

Untitled-1

Até a década de 80, o sistema funcionava de acordo com o ciclo de copiar, reproduzir e revender aquilo que havia sido definido como moda. Simultaneamente, os consumidores se condicionaram a comprar apenas na época de liquidação. Desta forma, as marcas perceberam que era importante lançar novidades frequentemente com preços mais acessíveis. Este foi o cenário para o início do conceito do fast-fashion. O modelo da “moda-rápida” não é somente disponibilizar produtos a cada semana ou quinzenalmente nos pontos de venda com preços acessíveis. O sucesso desta rede de lojas é a pesquisa de tendências forte, feita através de coolhunters, caçadores de tendências, que são agências ou pessoas especializadas em pesquisas de consumo. Estes profissionais viajam o mundo em busca de pistas do que as pessoas vão querer consumir no futuro. Os magazines também ouvem os desejos dos consumidores, com o intuito de fabricar produtos rapidamente, valorizando o design, a originalidade e que atendam às suas necessidades.

Recentemente o formato do fast-fashion começou a ser questionado pela pesquisadora e trendhunter holandesa Li Edelkoort, que já foi apontada pela revista Time como uma das pessoas mais influentes do mundo da moda. Li lançou o “Manifesto Anti-Fashion” e apresentou que o formato do mercado de moda hoje é obsoleto. Um dos pontos importantes da matéria é a questão do modelo de negócios. Para reduzir os custos, estas empresas buscam mão de obra barata em países como China e Peru. Por outro lado, os estilistas das marcas de luxo são pressionados a lançar não apenas duas, mas três coleções anuais (desde que se instituiu o Pre-Fall). Os designers não tem espaço para amadurecer uma ideia transgressora que rompe com o padrão vigente. Um exemplo clássico são as ombreiras, difundidas na década de 80, que influenciaram a maneira como a mulher se portava nesta década. Anteriormente, entre 1939 e 1945, as mulheres ocuparam o papel de “homens da casa”, pois seus maridos estavam na zona de combate. Este período favoreceu a emancipação da mulher, assim os grandes vestidos de baile não eram adequados ao novo estilo de vida. Com o fim da guerra, Dior propõem o New Look, em 1947, que representava o resgate da feminilidade perdida no período anterior. O século XX foi marcado por mudanças bruscas no modo de se vestir, ao contrário do que acontece hoje. Novas silhuetas não são propostas, as marcas lançam apenas roupas inspiradas nas décadas passadas. Onde foi parar o frisson dos desfiles do século XX! Yves Saint Laurent rompia padrões de estética e comportamento!

A roupa tornou-se descartável! Compre use e jogue fora! Esta é a mensagem que se passa. O consumidor não tem tempo de apreciar a roupa e consequentemente conclui que a moda e o setor têxtil não têm o seu valor.

A democratização da moda foi um avanço fantástico no final do século XX e início do século XIX com a construção deste formato de empresa que proporciona informação de moda atualizada e preços controlados. Porém, analisando grosseiramente estas marcas pode-se concluir que o formato foi levado às últimas consequências com o intuito de lucrar cada vez mais. Na sua grande maioria são voltadas para o público jovem. A moda deve ser acessível a diferentes públicos-alvo e adaptada aos diversos estilos de vida dos consumidores. Elas comercializam uma pequena quantidade de produtos básicos e atemporais, porem todos os esforços são para os roupas baseadas em tendência de moda ou no estilo de uma personalidade com um corpo escultural (Kim Kardashian para C&A) Nesta atual conjuntura, onde ficam os consumidores clássicos? Será que há um espaço considerável nestas coleções para uma alfaiataria correta? A modelagem é sofrível assim como o tecido. Não se pode esquecer as tentativas da Marisa de lançar produtos plus-size. A quantidade de produtos era irrisória. Pode-se chamar isso de moda democrática?

*

Por Danilo Centemero, estilista, empresário, VM e vitrinista, professor de Visual Merchandising e Vitrine no Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s