A história das listras

Livro

Em toda a sociedade da época eclesiástica foi declarada guerra a tudo aquilo que confundia a visão: as listras, principalmente as que alternavam cores vivas (vermelho ou amarelo), por exemplo, por suscitar aos olhos da Igreja a imoralidade.

Através de estudos e análises sobre o traje listrado, é possível visualizar uma breve passagem da idade média para a idade moderna. Neste período, o status social e cultural da vestimenta listrada sofreu uma rápida transformação do conceito diabólico para o doméstico, como sinal de impureza e transgressão. Com isso a listra adquiriu novos conceitos.

Painel prisioneiros

Já passando pelos séculos XVI a XVIII, período do primeiro romantismo, observamos a ascensão das listras: as mesmas deixaram de ser ofensivas para serem aristocráticas. Os nobres as imitavam e as listras foram ganhando o seu espaço: verticais para a aristocracia e horizontais para os servos.

Painel aristocracia

Um grande tempo depois, as listras ganharam as telonas dos cinemas, vestindo gângsteres, mafiosos, pessoas fora da lei e tantos outros personagens que nos fazem referências ao crime. Desta forma, é possível concluir que as listras não desapareceram com o fim dos conceitos atribuídos desde os séculos passados.

Painel Marinheiros

As listras passaram também a fazer parte do uniforme de marinheiros, e quando a sociedade européia descobriu os prazeres dos banhos de mar, as mesmas passaram do alto mar para a costa. Os banhos também tinham finalidades terapêuticas e os médicos recomendavam o uso de roupas brancas, mas elas ficavam transparentes quando molhadas. Assim, surgiu o traje listrado moda praia. Depois, as listras da praia distanciaram-se da comparação com o uniforme dos marinheiros, e passaram a fazer parte do círculo do lazer, do esporte, da infância e da juventude.

Painel 60

Porém, atualmente, as listras ganharam um novo espaço no mundo da moda. Na década de 1960, influenciaram bastante em editoriais junto à Op Art. Existe uma grande diversidade de modelos de roupas estampadas, especialmente aquelas que dão uma disfarçadinha na barriguinha saliente e no quadril.

Hoje as listras não significam mais algo diabólico, como na Idade Média, nem transgressão social. Qualquer pessoa pode usar, mas é sempre bom procurar uma dica de um Personal Stylist para ajudar na hora da escolha, de acordo com a sua silhueta.

Atualmente

*

Por Paola Sanguin, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, Manual História da Moda Sigbol Fashion, Livro: The Devil’s Cloth

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s