O QUE É UM FASHION FILM?

Fashion Film, como o próprio nome já diz, explora a moda em forma de vídeo.

giphy

Não é simplesmente um longa (ou curta) metragem ou uma campanha publicitária, pois tem um apelo mais conceitual, e consequentemente mais livre, ousado e sem seguir tanto os padrões.

source

Através das redes sociais, os vídeos ganham visibilidade e, por serem interativos, criam um vínculo mais forte com os consumidores. Entre as grifes Chanel, Dior, Prada e Dolce & Gabbana, os fashion films são utilizados como recurso para consolidar o conceito da marca.

Aqui na Sigbol nossos alunos do Curso de Produção de Moda também produzem fashion films, olhem só:

*

Por Mayara Behlau, professora no Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2 e 3

Dia do Alfaiate

Dia do Alfaiate é comemorado anualmente em 6 de setembro no Brasil. A data homenageia uma das profissões mais antigas do mundo: a dos alfaiates. Esses profissionais são especialistas em criar, costurar ou reformar roupas artesanalmente. O termo tailor (em inglês) existe desde 1297. A ocupação nasceu depois do Renascimento, época que surgiu uma preocupação maior em mostrar as formas do corpo. A partir daí, nem todo mundo conseguia confeccionar sua própria peça de roupa: um estudo do corpo humano era necessário e mais de uma pessoa poderia ser envolvida no processo. Foi aí que o papel do alfaiate cresceu nas sociedades – anteriormente, sua importância era a mesma de um tecelão.

Hoje os alfaiates, ao contrário dos estilistas, são direcionados para a moda masculina, criando ternos, calças, paletós e outras peças exclusivas do vestuário masculino.

Os alfaiates costumavam trabalhar em lojas privadas próprias (ateliês), fazendo roupas artesanais ou remendos/consertos em outras vestes. No entanto, esta profissão está cada vez mais rara.

A Sigbol Fashion parabeniza a todos os alfaiates do Brasil! Muiiito sucesso a todos.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4.

Como funciona uma confecção?

No processo produtivo da Indústria da Moda, otimizar o tempo é essencial para o desenvolvimento.

Um organograma ajuda a esquematizar as operações de cada etapa da produção e estabelecer o tempo para cada processo de movimentação na fábrica.

Mas você sabe como funciona por dentro de uma confeccção?

A maior parte das grandes confecções tem um setor exclusivamente dedicado à criação. Onde o estilista cria os modelos da nova coleção, sempre tendo como base as tendências de moda e comportamentais. Ele também é responsável por produzir a ficha técnica dos modelos, onde estão incluídas todas as especificações necessárias para que sejam bem compreendidos, e posteriormente bem executados pelas modelistas.

Depois é necessário comprar os materiais para a confecção das peças. Mas antes,  é produzida a peça piloto, ela é como um protótipo para descobrir se tudo se encaixa perfeitamente. Esse teste possibilita a realização de pequenas mudanças na peça, garantido o caimento perfeito e o conforto. Evitando futuros prejuízos.

Em seguida, assim que tudo estiver certo com a peça piloto, é hora de passar para a seção de corte. Onde cortam-se todos os modelos que serão confeccionados. E enfim as peças são finalizadas no setor da costura.

A Sigbol Fashion, é a melhor escola de moda do Brasil. Com cursos profissionalizantes e qualificados, onde o aluno sai pronto para o mercado de trabalho.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6.

Moda, cinema e TV em Nova York

Um dos ramos que mais cresce e se profissionaliza no mercado de moda é a área de Produção. Mas, já pensou em se especializar nesse ramo?  A Sigbol Fashion tem os melhores cursos profissionalizantes.

Com o curso de MODA, CINEMA E TV EM NOVA YORK da Sigbol Fashion, você conhece os cenários fotográficos por trás dos filmes que marcaram época, além de aulas práticas e interativas. O curso não exige pré-requisitos ou conhecimento específico da área de moda em si. AULAS EM PORTUGUÊS!

Aprofunde seu conhecimento, conheça a história dos figurinos por trás deste universo incrível. Saiba mais em nosso site.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5.

Enfermeira cria modelo de calcinha para transexuais

Silvana da Silva, técnica em hemoterapia de São Paulo enxergou uma possibilidade de negócio após conhecer os problemas de saúde vividos por travestis e mulheres trans.

Foi durante os plantões em hospitais da zona leste do estado de São Paulo, conversando com pacientes que Silvana percebeu os graves sintomas e problemas urinários acometidos em travestis e mulheres trans por ficarem muito tempo sem ir ao banheiro pois utilizavam fitas adesivas ou colas de alta fixação para esconder a genitália masculina.

Assim, Silvana teve a ideia de criar uma peça íntima em formato de funil, em que as mulheres transexuais pudessem esconder a genitália sem precisar utilizar fitas adesivas. E, além disso, que fosse prático e funcional para que elas fossem ao banheiro.

Mesmo com a ideia nas mãos, Silvana ainda enfrentou muita dificuldade em encontrar alguém que embarcasse no projeto com ela.

Silvana procurou profissionais e encontrou a designer de modas, Renata Martins, que também mora em Guaianases, e que resolveu abraçar o projeto. “Já costurei de tudo. Adoro fazer peças novas. Quando ela chegou aqui, eu nem poderia pegar o caso dela, mas por ser um projeto inovador e eu nunca ter feito nada do tipo eu resolvi tentar fazer e deu super certo”, disse Renata Martins em entrevista ao G1.

calcinha-trans-2019-04-17-f99a7820-fabio-tito-g1

Com o produto nas mãos, Silvana começou a divulgar seus produtos na internet e realizar vendas pelo celular. À medida que o negócio foi dando certo, foi ficando difícil conciliar o trabalho com os plantões noturnos nos hospitais, foi quando ela resolveu largar os dois empregos que tinha como técnica em hemoterapia e empreender.

A empresa de Silvana cresceu e hoje ela vende produtos dentro e fora do Brasil. Porém, a empreendedora diz que os ganhos da marca, por enquanto, só lhe permitem sobreviver. Segundo ela seu principal sonho é levar a invenção além do seu negócio. “Eu sempre falo que meu sonho é que um dia o uso da fita vire uma lenda urbana”.

*

Por Mayara Behlau, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1