A Moda e Copa do mundo.

Como todos sabemos este ano de 2018 é ano de copa do mundo, e para ajudar nossa seleção a iniciar os trabalhos com vontade, garra e elegância, o estilista Ricardo Almeida foi convidado para desenvolver o conjunto de calças e blazers que nossa delegação irá usar no dia do embarque para Rússia.

Ricardo disse que esse era um desafio que ele precisava na carreira, e imaginem só como não foi desafiante vestir a seleção e tentar aliviar aquele ar dos 7 x 1.

“Eu sempre quis fazer um trabalho como este porque representa o símbolo de uma nação. E eu acredito que nossa seleção precisava investir em elegância e estilo ao mesmo tempo. Era necessário recuperar a tradição quando pensamos em futebol brasileiro vestindo costumes. E, para mim, é um prazer fazer parte deste momento especial “, disse o estilista ao Fashion Network.

A roupa é feita em 100% lã fria, cor monocromática de royal com preto que visualmente cria um tom marinho com efeito changeant, conforme seu olhar muda a cor do tecido também se altera.

“Não é só um azul marinho. É um azul marinho particular e pensado para este momento tão especial”, define Ricardo.

Quanto a modelagem Ricardo valorizou a pegada esportiva mas levando a todos para o universo da alfaiataria, um shape mais justo que evidencia o porte atlético de cada um, toda a confecção das peças serão feitas na própria fábrica de Ricardo, que inclusive fez o projeto dos sapatos e também os confeccionou em sua fábrica em Franca.

Isto certamente é uma forma de se tornar imortalizado dentro da costura, pois todos os olhos do mundo estarão vendo sua criação. Para encerarmos e mantermos a curiosidade um dois detalhes mais particulares da peça é o forro, sim a parte de dentro que o estilista carinhosamente criou especialmente para homenagear todas as conquistas, com as taças e os anos em que a seleção brasileira foi campeã em sua trajetória de sucesso.

*
Por Andreia de Araújo Peixoto
Referências: 1 e 2

A sustentabilidade na moda

As questões de sustentabilidade social, econômica e ambiental têm ganhado bastante destaque na mídia e a Indústria da Moda.

Resultado de imagem para fashion upcycling

Pois na moda há grande consumo de peças, além de promover severa degradação nos rios a partir dos processos de tinturaria nas tecelagens. Hoje os brechós e a customização tornaram-se sinônimo de cool e os processos produtivos, como a tinturaria, estão cada vez mais limpos.

Marcas de moda upcycling transformam tecidos descartados em roupas originais stylo urbano-9

Mas como é possível colaborar com a sustentabilidade?

1. Reduzir – na indústria de confecção e varejo, a meta é reduzir retalhos de tecidos na gestão de resíduos e, para isso, hoje há softwares que otimizam o encaixe na hora do corte minimizando as perdas.

2. Reutilizar e Reciclarcustomização de peças que já foram usadas, isso pode significar o aproveitamento de retalhos para criação de novos modelos. Ou transformar de modo industrial, essa transformação deve ser química (última opção na gestão de um resíduo). Apesar que, hoje já existem processos de reciclagem em larga escala para tecidos sintéticos e naturais.

Resultado de imagem para fashion sustainability

Em nosso curso de customização você aprende técnicas básicas para renovar novas peças e até abrir seu próprio negócio.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5.

Profissão de moda: Freelancer

O mercado da moda está em constante crescimento e valorizando cada vez mais o profissional completo.

modelista e o estilista, se destacam na área. Porém, ainda há outros profissionais que podem ser difíceis de encontrar – principalmente se a sua marca estiver buscando um especialista do segmento de atuação, como Personal Stylist, Produção de Moda e Styling e Visual Merchandising e Vitrine.

Muitas marcas não possuem um profissional contratado. Elas procuram esses profissionais por sazonalidade. Para esses casos, existe o freelancer de moda: um profissional que trabalha por conta própria para uma determinada marca e sob demanda. Por não ter vínculo empregatício com uma empresa, ele tem a vantagem de trabalhar para duas ou até mais empresas, o que proporciona liberdade ao profissional.

Começar a atuar neste ramo pode não ser uma tarefa tão fácil, já que esse mercado é bastante disputado e exige do profissional criatividade, organização, excelência e atualização constante. Para se destacar, crie um portfólio online, mesmo que você ainda não tenha muitos trabalhos. Também é essencial saber o valor da sua hora de trabalho.

Uma das maiores facilidades da vida de freelancer é poder fazer seu horário, o que torna muito mais simples a participação em cursos, workshops e festivais de moda.

A melhor dica é que você busque entregar um serviço completo. A apresentação de tudo é muito importante, é necessário que seu trabalho tenha sua identidade e passe segurança e profissionalismo ao seu cliente. Atendendo todas as etapas do processo produtivo da indústria da moda.

Na Sigbol Fashion, você pode encontra inúmeras opções de cursos para se especializar, desde criação, desenvolvimento e produção de moda. Saiba mais em nosso site.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9.

O que é um Editorial de Moda?

Um editorial de moda tem como função divulgar uma ou mais marcas a partir de um conjunto de imagens e de um conceito. Ou seja, são várias fotos feitas dentro de um mesmo tema, e com elas, divulga-se de maneira artística os produtos de uma marca.

Além da função comercial, os editoriais têm a função de transformar as revistas em algo mais dinâmico, notificando também as novas tendências do mundo fashion. Serve como uma grande fonte de inspiração para novas produções e catálogos. O mais poderoso instrumento de divulgação.

E se você tem interesse em elaborar um editorial, em nosso curso de Produção de Moda, você aprende a criar um super editorial e conhece a fundo a profissão, pronto para o mercado de trabalho.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 2 ,3, 4, 5.